Terroristas da Catalunha fizeram rápida viagem de ida e volta a Paris

Terroristas da Catalunha fizeram rápida viagem de ida e volta a Paris

GERAL -   

Paris, 22 ago (EFE).- Os terroristas envolvidos nos atentados da Catalunha fizeram uma viagem "extremamente rápida" a Paris, cujas motivações estão sendo investigadas, apontou nesta terça-feira o ministro de Interior da França, Gérard Collomb, que informou que os serviços de inteligência franceses não vinham monitorando os membros da célula.

"Foi uma viagem de ida e volta extremamente rápida", ressaltou Collomb após indicar que, na sua opinião, os terroristas tinham ido à capital francesa "a trabalho".

Em uma entrevista transmitida pela emissora "BFMTV" e pela rádio "RMC", o ministro indicou que, no entanto, a investigação ainda não determinou a razão dessa viagem, que aconteceu menos de uma semana antes dos ataques em Barcelona e Cambrils.

Além disso, Collomb confirmou que radares detectaram, por excesso de velocidade, o carro dos terroristas.

Segundo a "BFMTV", no veículo viajavam Younes Abouyaaqoub, o autor do atropelamento nas Ramblas de Barcelona - abatido ontem pela polícia catalã -, e um dos cinco membros do atentado em Cambrils, cujo nome não foi revelado.

O carro foi o mesmo utilizado em Cambril, informou o jornal "Le Parisien", que - citando uma fonte policial - indicou que no veículo viajavam quatro pessoas.

Abouyaaqoub e o segundo terrorista - de acordo com a versão da "BFMTV" - se hospedaram em um hotel perto de Paris na noite de 11 de agosto e estiveram na capital francesa, onde se sabe que fizeram compras em lojas de departamento, mas nada que tivesse a ver com componentes químicos ou armas que pudessem ser usados para cometer atentados.

No dia 12, o carro foi detectado por excesso de velocidade por radares em Essone, ao sul de Paris, no departamento de Puy de Dome e depois no de Aude, o que demonstra que tomaram rapidamente o caminho de volta para a Espanha.

Collomb contou que as forças de segurança francesas souberam "que tinham vindo à região parisiense" e comunicaram às autoridades espanholas.

Ressaltou que desde que aconteceram os ataques "os serviços secretos franceses acompanharam o assunto em cooperação estreita com os serviços espanhóis" e que ontem mesmo conversou por telefone com o ministro de Interior da Espanha, Juan Ignacio Zoido.

Zoido estará amanhã em Paris para formalizar um dispositivo de cooperação na formação de agentes e guardas civis, para analisar a viagem dos terroristas e tratar outros aspectos relacionados ao intercâmbio de informações entre os respectivos governos.