Imã de Ripoll tentou recrutar terroristas na Bélgica, aponta jornal local

Imã de Ripoll tentou recrutar terroristas na Bélgica, aponta jornal local

GERAL -   

Bruxelas, 24 ago (EFE).- O imã de Ripoll Abdelbaki Es Satty, suposto cérebro da célula que cometeu os atentados em Barcelona e Cambrils, na Catalunha, supostamente tentou recrutar terroristas na Bélgica, informou nesta quinta-feira o jornal "La Dernière Heure".

Porém, a próprio publicação diz que "não significa que teve sucesso" nesse trabalho.

Além disso, o jornal afirma que alguns familiares de Es Satty residem na Bélgica e que o imã se hospedou na casa de seu primo, em Vilvoorde, durante suas estadias no país.

Es Satty viveu no começo de 2016 nessa pequena localidade, a 12 quilômetros de Bruxelas.

O prefeito do município, Hans Bonte, assegurou em uma entrevista à Agência Efe que o imã de Ripoll despertou receios na própria comunidade muçulmana da zona quando pediu trabalho na próxima população de Diegem.

"O imã da vizinha localidade de Diegem veio perguntar por ele, ao viver em Vilvoorde. Parecia um homem estranho, que dizia que vinha da Espanha porque ali não tinha futuro e que se autoproclamava imã, ainda que não tinha nenhum credencial para isso", explicou.

O imã da população de Diegem, próxima a Vilvoorde, estava interessado em saber se existiam antecedentes criminais sobre o imã de Ripoll, já que tinha dúvidas sobre ele, já que o homem não respondia perguntas sobre o seu passado.

Segundo declarou na terça-feira perante o juiz espanhol Fernando Andreu o detido após a explosão em uma casa de Alcanar, o imã de Ripoll estava disposto a se sacrificar.

Es Satty morreu nessa mesma moradia e entre os restos da casa apareceram passagens de avião em seu nome com destino à Bélgica.