Incêndios criminosos ameaçam áreas de conservação no Tocantins

Incêndios criminosos ameaçam áreas de conservação no Tocantins

GERAL -   


Incêndios criminosos estão ameaçando unidades de conservação no Tocantins .

Brigadistas lutam contra o fogo no Parque Nacional do Araguaia. Mais de 56 mil hectares de floresta foram destruídos. Na Estação Ecológica Serra Geral, no Jalapão, um incêndio que começou nesta segunda-feira (28) já consumiu uma área do tamanho de seis mil campos de futebol.

O fogo criminoso também atingiu o Parque Estadual do Cantão, um pedacinho da Amazônia no Tocantins. Na unidade de conservação, que abriga mais de 400 espécies de animais, lagos de reprodução de peixes estão ameaçados.

Muitos pescadores usam o fogo para abrir caminho na mata fechada. O preço dessa ganância é a destruição da área protegida. Não resta nada vivo. Até um cupinzeiro ficou completamente carbonizado.

“Se acaba esse local aqui com fogo, degradação, alguma coisa, consequentemente vai afetar todo o médio Araguaia até no encontro com o Rio Tocantins, vai diminuir muito a quantidade de peixe”, afirmou o diretor do Instituto Natureza do Tocantins, Gilberto Oliveira.

O problema é que apenas quatro agentes cuidam do Parque do Cantão, que tem uma área equivalente a duas vezes a cidade de Curitiba.

“Se a sociedade não colocar para si a responsabilidade de proteger algo para as futuras gerações, dificilmente só o poder público vai conseguir segurar o avanço da destruição que está acontecendo dentro do parque”, disse a bióloga da ONG Instituto Araguaia Thais Susana Pereira.

Na região central do Tocantins, o fogo descontrolado atingiu 30 propriedades rurais. Em uma fazenda, o milho, que seria colhido na semana que vem, virou carvão. O gado ficou sem saída no pasto; 50 animais morreram. Há duas semanas, uma queimada destruiu uma linha de transmissão; 22 cidades ficaram sem energia por mais de dez horas.