Diplomatas e servidores de embaixadas aprovam curso oferecido pela Câmara

Diplomatas e servidores de embaixadas aprovam curso oferecido pela Câmara

GERAL -   


Diplomatas e servidores de embaixadas instaladas em Brasília aprovaram o 4º Curso Poder Legislativo Brasileiro e Tramitação de Acordos Internacionais, oferecido pela Secretaria de Relações Internacionais (SRI) da Câmara dos Deputados, em parceria do Centro de Formação, Treinamento e Aperfeiçoamento (Cefor).

“Para a gente que vem de fora, é um jeito de conhecer mais a história do Brasil, as instituições. Neste tempo tem sido muito interessante, que observa como estrangeiro o que está acontecendo aqui”, disse Jaime Cortés, primeiro-secretário na Embaixada do Chile.

O brasileiro Luiz Miguel da Rocha, assessor para assuntos políticos e relações acadêmicas na Embaixada do Canadá, também elogiou a atividade. “É extremamente importante para as embaixadas, porque acompanhamos com bastante interesse o que acontece no Brasil”, disse.

Qiao Yanferg, assessora para assuntos legislativos na Embaixada da China, elogiou as aulas sobre o processo de elaboração de leis no Brasil. “É totalmente diferente do sistema chinês. Tenho de conhecer essa área, vai facilitar o meu trabalho no futuro”, afirmou a assessora, que veio da China há três anos e já atuou nos consulados do Rio de Janeiro e de São Paulo.

Programação
Durante quatro dias, até a próxima segunda-feira (4) os 68 participantes, de 45 diferentes países, receberão informações a respeito do sistema político e eleitoral, do processo legislativo e das competências e inter-relações entre os três Poderes da República, além de informações sobre o uso do portal da Câmara como fonte de pesquisa, entre outros temas.

As aulas são ministradas por servidores da Câmara. “Tentamos transmitir como os acordos internacionais tramitam na Câmara, para que eles possam ter conhecimento e acompanhar os interesses de cada país”, afirmou Lincoln Cardoso, um dos professores.

O conteúdo deverá auxiliar a relação das embaixadas com a Câmara e facilitar o acompanhamento, por diplomatas e embaixadores, das proposições em tramitação na Casa, principalmente dos acordos internacionais. Só no primeiro semestre deste ano, 13 foram aprovados.