Moscou convoca número 2 da embaixada americana para explicações

Moscou convoca número 2 da embaixada americana para explicações

GERAL -   

Moscou, 2 Set 2017 (AFP) - A Rússia convocou, neste sábado (2), o número 2 da embaixada americana em Moscou, acusando os Estados Unidos de quererem realizar buscas nas instalações de sua missão comercial em Washington, fechada pela Casa Branca.

"Convocamos o embaixador americano em Moscou, Anthony Godfrey. Ele recebeu uma carta de protesto em conexão com o desejo das autoridades americanas de realizar buscas na missão comercial russa em Washington", indicou o ministério das Relações Exteriores russo em um comunicado.

"A partir de hoje perdemos o acesso (à missão comercial de Washington), embora este edifício seja de propriedade do Estado russo e goze de imunidade diplomática", acrescenta o ministério.

Na sexta-feira, a diplomacia russa já havia acusado os Estados Unidos de ameaçar a segurança de seus cidadãos ao querer realizar buscas em seu consulado em San Francisco e nos apartamentos dos funcionários que vivem no prédio.

"A ameaça das autoridades americanas criou uma ameaça direta para a segurança de seus cidadãos russos", declarou a porta-voz da Chancelaria russa, Maria Zakharova, em um comunicado.

"Os serviços especiais americanos têm a intenção de realizar, em 2 de setembro, uma batida no consulado de San Francisco, incluindo os apartamentos dos funcionários", completou a porta-voz, acrescentando que as buscas serão realizadas pelo FBI (a Polícia Federal americana).

De acordo com a nota de protesto entregue a Godfrey, a Rússia considera "ilegítimas" as buscas em seus edifícios diplomáticos na ausência de representantes oficiais do Estado russo.

As buscas e a "ameaça de derrubar a porta de entrada" são "um ato de agressão sem precedentes, que poderia ser utilizado pelos serviços especiais americanos para organizar uma provocação contra a Rússia por meio de objetos incriminatórios que seriam colocados lá" por esses mesmos serviços, de acordo com a diplomacia russa.

"As autoridades americanas devem parar suas violações flagrantes do direito internacional e abster-se de infringir a imunidade das instituições diplomáticas russas", diz o comunicado.

Moscou "reserva-se o direito de tomar medidas de retaliação com base na reciprocidade", assegura a mesma fonte.

O governo dos Estados Unidos ordenou na quinta-feira o fechamento, antes do fim de sábado, do consulado russo de San Francisco e das missões comerciais em Washington e Nova York, em resposta à drástica redução de 755 diplomatas e funcionários, russos e americanos, na Rússia, ordenada no final de julho por Vladimir Putin em reação às novas sanções econômicas aprovadas por Washington.

A presença diplomática americana ficou limitada a 455 pessoas, as mesmas que trabalham na representação russa nos Estados Unidos.

No começo de agosto, os Estados Unidos tiveram que deixar de utilizar dois edifícios diplomáticos situados na periferia da capital russa depois que o Kremlin suspendeu a permissão de uso.