Oposição venezuelana suspende diálogo até que eleição seja auditada

Oposição venezuelana suspende diálogo até que eleição seja auditada

GERAL -   

Caracas, 16 out (EFE).- A Mesa da Unidade Democrática (MUD), principal aliança de oposição da Venezuela, exigiu nesta segunda-feira que todo o processo eleitoral de ontem seja auditado como uma condição para retomar o diálogo com Nicolás Maduro.

"Exigimos uma auditoria total, quantitativa e qualitativa, que não seja imposta pela Comissão Nacional Eleitoral, de todo processo, com verificação internacional confiável", disse o porta-voz da MUD, Ángel Oropeza, em entrevista coletiva.

Os opositores impõem essa condição um dia depois de o país ir às urnas para eleger governadores de 23 estados. Segundo os resultados, não reconhecidos pela MUD, os governistas venceram em 17 locais.

"Não participaremos de nenhum processo de exploração, conversa ou negociação até que as auditorias sejam aceitas", completou Oropeza.

O porta-voz da MUD, que leu uma declaração da oposição aos jornalistas, acusou o governo de "distorcer e desconhecer a vontade do povo". E afirmou que todos sabem que "as eleições na Venezuela não são livres, justas ou transparentes".

"Detectamos um grande númeor de irregularidades", disse.

Segundo Oropeza, os opositores detectaram que 1 milhão de eleitores em todo o país tiveram dificuldades para votar em regiões historicamente antichavistas. Outros 350 mil não conseguiram exercer o direito ao voto por causa da "violência e intimidação".

"O governo aplicou coação e chantagem sobre funcionários públicos e beneficiários de programas sociais para votar em favor de seus candidatos. Algumas pessoas votaram acompanhadas por ativistas do partido governista. Outras votaram várias vezes", acusou.

"Estamos diante de um processo de grandes dimensões e de múltiplas variáveis, que requer a mais rigorosa e independente investigação. Só assim poderemos reconhecer o que houver para reconhecer e exigir repetições onde elas sejam necessárias", defendeu o porta-voz da MUD.

Oropeza também convocou o povo e a comunidade internacional a lutar por um novo sistema eleitoral na Venezuela para a realização urgente de um pleito livre e transparente.

"Somos a maioria, a ditadura a cada dia se deslegitima mais. E a cada dia cresce mais a condenação mundial contra este regime", concluiu o líder da oposição.