Presos espancam acusado de matar jovem durante carona combinada pelo Whatsapp

Presos espancam acusado de matar jovem durante carona combinada pelo Whatsapp

GERAL -   

  • Foto: reprodução/Facebook

    Jovem morta ao dar carona economizava dinheiro para casamento

    Jovem morta ao dar carona economizava dinheiro para casamento

Preso junto com outros detentos em uma cela no presídio de Frutal (MG), localizado às margens da rodovia MG-255, Jonathan Pereira do Prado, 33, acusado de pegar carona com a intenção de roubar e matar a radiologista Kelly Cristina Cadamuro, 22 , foi agredido na noite deste sábado (4) por outros detentos que estavam com ele em um lugar conhecido como "seguro" --cela reservada em unidades prisionais para detentos que correm risco de agressão.

A informação foi confirmada ao UOL pela Secretaria de Administração Prisional (Seap).

Jonathan teve diversos ferimentos na cabeça e um corte profundo no supercílio. A direção da unidade prisional não confirmou se Daniel Teodoro da Silva, 24, outro envolvido no crime e detido na mesma unidade prisional, também foi agredido.

Samir Alouan/97 FM/Pontal Online
Jonathan Prado, com um curativo na cabeça, após ser atendido no presídio
Jonathan, que confessou ter matado a jovem na noite de quarta-feira (1º), precisou passar por atendimento de uma enfermeira. De acordo com a Seap, ele agora foi transferido para uma cela onde ficará sozinho.

Um processo administrativo será instaurado para identificar os agressores de Jonathan, que, de acordo com a Seap, deverão ser punidos por uma comissão disciplinar.

A direção da unidade prisional não confirma oficialmente, mas, segundo um funcionário que pediu para não ser identificado, a ordem para que a agressão acontecesse pode ter partido de dentro ou até de fora da unidade prisional. O  UOL apurou que os presos não aceitam a presença de Jonathan e Daniel no presídio.

Prisão preventiva

Neste sábado, a Justiça de Minas Gerais decretou a prisão preventiva de Jonathan e Daniel. De acordo com o responsável pelas investigações, delegado Bruno Giovanini, os acusados apresentaram diversas versões em seus depoimentos e novamente serão ouvidos no começo da semana.

"Eles vão continuar presos aqui em Frutal (MG), estamos certos que a decisão da Justiça vai colaborar muito com as investigações", afirmou o delegado.

Giovanini adiantou que vai promover uma acareação entre os acusados.

O corpo de Kelly foi encontrado na quinta-feira (2), seminu, com as mãos amarradas e sinais de estrangulamento, e com a cabeça mergulhada num córrego, entre Frutal e Itapagipe, em Minas. Câmeras de uma praça de pedágio mostraram Prado voltando sozinho com o carro. O veículo foi achado depenado, próximo de Mirassol.

Petição Popular

A morte de Kelly Cadamuro despertou a revolta de muitas pessoas com o benefício da popular "saidinha" dos presos. Jonathan Pereira do Prado, 33 anos, que confessou ter armado uma cilada, combinando uma carona com a vítima de São José do Rio Preto (SP) até Itapegipe (MG) é um preso evadido do sistema prisional após receber o benefício.

Até o momento, 6504 pessoas assinaram a petição online que é contra o benefício da "saidinha". Para assinar, basta acessar o endereço: https://peticaopopular.com.br/view.aspx?pi=BR83480

Outro suspeito, Wander Luís Cunha, 33, está preso em São José do Rio Preto. Ele teria sido apenas receptador dos objetos furtados da jovem, segundo a investigação policial.

Até o momento da publicação desta reportagem, os acusados não tinham advogados que os representasse. A Defensoria Pública está fechada por causa do feriado prolongado do Dia de Finados.