Moscou inaugura placa em memória de Alexander Solzhenitsyn

Moscou inaugura placa em memória de Alexander Solzhenitsyn

GERAL -   

Moscou, 11 dez 2017 (AFP) - As autoridades russas inauguraram nesta segunda-feira uma placa em memória de Alexander Solzhenitsyn, escritor e Prêmio Nobel de Literatura, que revelou ao mundo o universo dos campos de trabalho soviéticos e cujo centenário de nascimento será celebrado em 2018.

A placa foi instalada em um edifício no centro da capital russa, onde vivo o escritor, e foi inaugurada na presença de funcionários do governo russo, informou a agência pública Ria Novosti.

"Agradeço aqueles que (...) fazem muito e que, espero, farão muito no próximo ano para preservar não só a memória de Alexandre, mas também o que ele acreditava, para que possamos construir a Rússia com a qual sonhou", declarou a viúva do escritor, Natalia Solzhenitsyn, citada por Ria Novosti.

O primeiro museu dedicado a Solzhenitsyn, que morreu em Moscou em 3 de agosto de 2008 aos 90 anos de idade, abriu em 2015 em Kislovodsk, no Cáucaso russo, em uma casa onde o autor do "O Arquipélago Gulag" passou quatro anos de sua vida.

Sentenciado a oito anos de detenção por criticar Stálin em uma carta interceptada pela polícia política, Solzhenitsyn serviu-se de sua experiência no campo de Ekibastuz, no Cazaquistão, para escrever a história "Um dia na vida de Ivan Denisovich", publicada em 1962, em pleno degelo político decidido pelo sucessor de Stálin, Nikita Khrushchev.

Detrator do totalitarismo comunista, Alexander Solzhenitsyn era um ortodoxo conservador, muito crítico à sociedade de consumo.

O próprio Vladimir Putin visitou o escritor em várias ocasiões antes de sua morte, provocando indignação entre os ex-dissidentes devido ao passado como oficial da KGB do atual presidente russo.