No Rio, comunidade da Vila Kennedy já viveu 43 confrontos em 2018

No Rio, comunidade da Vila Kennedy já viveu 43 confrontos em 2018

GERAL -   


O interventor na segurança pública do Rio de Janeiro disse, nesta semana, que elegeu a área da favela da Vila Kennedy para servir como uma espécie de vitrine do que ele planeja fazer pra libertar comunidades fluminenses do domínio de quadrilhas. O Jornal Nacional ouviu moradores da Vila Kennedy. Eles descreveram o que são obrigados a enfrentar na comunidade.

No lugar onde tem tiroteio dia sim, dia não, viver é um desafio.

“É troca de tiro a todo momento. Não tem horário pra ter confronto. A gente não consegue pedir um táxi porque tudo eles cancelam a viagem por causa de barricada, por causa de confronto, por causa dos traficantes”, lamenta um morador que não quis se identificar.

Nem onde os moradores deveriam ter sossego, encontram paz. Na quinta-feira (8) à noite, bandidos assaltaram 15 pessoas numa igreja.

“Pessoas armadas renderam o nosso funcionário na porta da nossa paróquia roubando a aliança dele e de uma outra paroquiana, e depois os levando como vítima para dentro da igreja”, conta um homem.

Do início de 2018 até agora, já foram 43 confrontos na Vila Kennedy, Zona Oeste do Rio. E, desse jeito, como dá para seguir a vida, fazer as tarefas do cotidiano, da escola?

“Imagina alguém tentar ensinar uma criança como somar frações, se no dia anterior ela passou metade da manhã ouvindo tiroteios, e depois ela viu alguns cadáveres. Evidente que ela não vai aprender coisa alguma”, afirma um outro homem.

A favela nasceu na década de 60, como um conjunto habitacional e teve ajuda do então presidente dos Estados Unidos, John Kennedy. Daí o nome da comunidade. Era parte de um projeto do governo americano para financiar melhorias urbanas na América Latina e foi inaugurada mesmo sem os serviços básicos que, tanto tempo depois, ainda faltam.

“Falta luz, falta esgoto, falta tudo”, diz uma moradora.

“Eu não estou aguentando mais”, lamenta um morador.

E o pedido de ajuda, de melhorias na comunidade, está estampado até no poste. Num cartaz improvisado, um morador pede socorro.

No papel, um desabafo: “Vila Kennedy completou 54 anos de existência. Não temos motivos para comemorar, somente lamentar”. Na lista do abandono: “ruas sujas, esgotos entupidos”.

Nesta sexta-feira (9), de novo, a comunidade amanheceu cercada por homens das Forças Armadas. Mais uma vez, eles usaram retroescavadeiras para retirar barricadas, e também acompanharam funcionários da empresa de limpeza urbana e da companhia de energia elétrica, que foram fazer reparos. A prefeitura derrubou quiosques, afirmou que estavam em situação irregular.

“Nós estamos há dez anos tentando a legalização”, disse o dono do quiosque.

“Única fonte de renda que eu tenho. Eu tenho cinco filhos pequenos”, desabafa a dona de um outro quiosque.

“Nós somos pobres, moradores de favela, mas a gente quer fazer a coisa certa. Nós tentamos muito faz isso”, diz uma outra vendedora.

Horas depois, o prefeito do Rio, Marcelo Crivella , afirmou que houve uso desproporcional da força pelos funcionários envolvidos na remoção. Determinou o afastamento deles e mandou que os comerciantes sejam cadastrados e liberados para trabalhar. 

Vila Kennedy, Coreia e Vila Aliança vão servir como laboratório para a intervenção na segurança do Rio. Diferentes favelas, mesma realidade.

“Até para você conseguir uma ambulância, você precisa levar o seu doente para fora da comunidade para ser atendido porque aqui dentro os bombeiros não entram. Nós somos reféns de uma situação que não foi criada por nós e temos que nos submeter porque nós estamos reféns das armas, da força”, lamenta um morador que não quis se identificar.