Até quando o 7 a 1?

Até quando o 7 a 1?

GERAL -   

Eliminação histórica da Alemanha da Copa do Mundo gerou euforia no Brasil, mas a verdade é que nunca fui alvo de piada de alemães por causa do 7 a 1. São os brasileiros que sempre me lembraram dessa tragédia.Peinlich – constrangedor, em alemão – foi a melhor palavra para definir o meu 7 a 1. O bar em Colônia onde eu cobria a reação da torcida para um jornal brasileiro foi tomado pelo Schlager, um gênero de música popular alemã que naquela noite soou obviamente ainda mais irritante.

A banda brasileira contratada para tocar se silenciou. A festa alemã ofuscou as bandeiras verde e amarela espalhadas pelo salão. Nas ruas, a celebração foi eufórica. Mas depois das duas da manhã todos já tinham acalmado os ânimos. No dia seguinte, a rotina seguiu – claro, com a alegria da vitória –, mas o 7 a 1 não virou motivo para comparar o sucesso ou os problemas dos países rivais em campo nem motivo de zombaria.

Passaram-se quatro anos e o 7 a 1 se tornou piada e argumento dos brasileiros contra o governo, as deficiências do país perante nações europeias e até foi tema de palestra sobre as relações comerciais entre Brasil e Alemanha. O 7 a 1 virou uma eterna autocrítica.

Ohne Worte – "sem palavras" – foi como o tabloide alemão Bild definiu a eliminação histórica da atual campeã mundial na fase de grupos da Copa do Mundo, algo que nunca havia acontecido. A capa do jornal reproduziu a mesma frase estampada no dia seguinte ao 7 a 1. A Alemanha ficou sem palavras diante da vitória e da derrota.

Para alguns memes na internet restou apenas "O grito" de Löw, cuja foto é sobreposta às linhas expressivas do pintor norueguês Edvard Munch, retratando a angústia e o desespero humano.

Desde o doloroso 8 de julho de 2014, nenhum alemão me lembrou numa conversa qualquer do 7 a 1 por nenhum motivo. Nunca fui alvo de piada ou gozação por causa da derrota brasileira no futebol.

Quem sempre me recordou daquele sentimento constrangedor foram minha família, meus amigos e pessoas na internet, sempre comparando os sucessos e insucessos dos dois países com "o todo dia um 7 a 1", sinônimo do pior que pode acontecer na vida de um brasileiro.

Depois do inesperado desempenho desta semana, a derrota alemã cicatrizou a dor e espantou o fantasma dos torcedores e cidadãos brasileiros? O jogo se inverteu?

Alguns setores da sociedade alemã, principalmente os de ultradireita, tentam agora tirar vantagem do fiasco em campo para criticar a política migratória do governo federal alemão e até para culpar jogadores de origem turca da seleção pela derrota – uma reação mais desastrosa do que qualquer 7 a 1.

Instrumentalizar o próprio fracasso em campo – com grito ou silêncio – não vai resolver os problemas de ninguém.

Na coluna Alemanices, publicada às sextas-feiras, Karina Gomes escreve crônicas sobre os hábitos alemães, com os quais ainda tenta se acostumar. A repórter da DW Brasil e DW África tem prêmios jornalísticos na área de sustentabilidade e é mestre em Direitos Humanos.

_______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App | Instagram