Inglaterra é a única seleção que tem os 23 jogadores atuando no país

Inglaterra é a única seleção que tem os 23 jogadores atuando no país

GERAL -   


No sábado (7), teremos mais dois jogos das quartas de final. O primeiro deles, às 11h, vai colocar frente a frente uma jovem e talentosa geração inglesa contra uma Suécia que está superando a aposentadoria do seu melhor jogador.

Ao converter o pênalti contra a Colômbia , Erick Dier manteve vivo muito mais do que o sonho inglês de voltar a conquistar uma Copa.
 
Inventores do futebol e donos do campeonato nacional mais forte do mundo, os ingleses venceram apenas o Mundial de 66. Mas um plano para fortalecer o futebol do país está em prática.

Nos últimos quatro anos, mais de R$ 1 bilhão foram investidos nas categorias de base e todos os times da primeira divisão precisam ter, no mínimo, oito jogadores que tenham sido formados lá.

Nesta Copa, a Inglaterra ainda é a única seleção que tem os 23 atletas atuando no próprio país.

Tudo isso faz parte de um projeto ambicioso da Inglaterra. O país quer dominar as principais categorias do futebol mundial. E, olha, neste momento só falta mesmo a Copa do Mundo.

Em 2017, os ingleses venceram os mundiais Sub-17 e Sub-20. O elenco desta Copa também tem uma média de idade baixa.

A Suécia também está passando por uma renovação. Ibrahimovic, agora é torcedor de arquibancada. O melhor jogador sueco de todos os tempos se aposentou da seleção. Sem ele, o time ficou menos brilhante e muito mais defensivo, só que está de volta às quartas de final da Copa, depois de 24 anos.

O atacante Olav Toinovem afirmou que não há problema em jogar assim, e que eles estão seguindo um plano.

Dois planos diferentes. Só que agora, apenas um vai seguir adiante.