CEO da CBS é investigado por assédio sexual nos EUA

CEO da CBS é investigado por assédio sexual nos EUA

GERAL -   

Nova York, 27 Jul 2018 (AFP) - Diretores independentes do grupo televisivo americano CBS realizam uma investigação interna sobre seu presidente executivo, Leslie Moonves, alvo de acusações de assédio sexual.

A revista americana The Hollywood Reporter reportou na sexta-feira que a The New Yorker estava preparando um artigo sobre acusações contra Moonves, um dos homens mais poderosos de Hollywood, por seu comportamento sexual impróprio.

Segundo a The Hollywood Reporter, Moonves teria beijado e tocado várias mulheres sem o seu consentimento ao longo de décadas.

Depois que a informação se tornou pública, o grupo difundiu um comunicado. "Os diretores independentes da CBS se comprometem a investigar qualquer queixa de violação das normas internas da companhia sobre o tema".

"Uma vez concluída esta investigação, que inclui acusações que datam de várias décadas, a junta estudará suas descobertas e tomará as medidas necessárias", acrescentou a CBS.

"Todas as acusações de má conduta pessoal devem ser levadas a sério", expressou a junta diretora.

O assunto ganha mais relevância porque Moonves é um dos homens mais poderosos atingidos pelo movimento #MeToo contra o assédio sexual no mundo do espetáculo e em outras indústrias.

A denúncia foi redigida por Ronan Farrow, o jovem de 30 anos que compartilhou um Prêmio Pulitzer com o The New York Times este ano por seu informe sobre o magnate de Hollywood Harvey Weinstein, um caso que deu origem ao movimento #MeToo.

- Impacto -Horas depois de o preço das ações da CBS desabarem pela primeira vez - caíram 6,55% em Wall Street-, Farrow se manifestou no Twitter para dizer que não faria comentários sobre informes que não publicou.

"Se você está lendo sobre o meu trabalho em fontes secundárias, frequentemente não recebe a história completa ou correta, especialmente nos casos em que as partes têm interesse em minimizá-la ou dar-lhe outra guinada", escreveu.

Não está claro que impacto os informes teriam em uma batalha legal pelo controle da gigante da TV americana, entre a família Redstone, que controla a CBS, e o diretório, presidido por Moonves.

Shari Redstone é uma acionista importante da CBS e da Viacom, que possui redes a cabo como Comedy Central, MTV e o estúdio de cinema Paramount. Seu objetivo é fundir as duas companhias, mas Moonves se opõe.

Segundo a Forbes, o patrimônio líquido de Moonves chega a 700 milhões de dólares e ele é um dos CEOs mais bem pagos dos Estados Unidos.

Moonves entrou para o grupo CBS em 1995 e chegou à direção em 2003. Em sua trajetória, esteve no comando de sucessos como "The Big Bang Theory", "Everybody Loves Raymond" e "CSI: Crime Scene Investigation".

Em novembro passado, o braço CBS News demitiu Charlie Rose, que era um dos jornalistas de televisão mais respeitados dos Estados Unidos, depois que oito mulheres disseram ao jornal The Washington Post que foram alvo de insinuações sexuais indesejadas.