Tsipras assume responsabilidade política por tragédia dos incêndios

Tsipras assume responsabilidade política por tragédia dos incêndios

GERAL -   

Primeiro-ministro era criticado pela resposta considerada lenta à tragédia, que já é vista como a pior na história moderna da Grécia. Ao menos 86 pessoas morreram.O primeiro-ministro da Grécia, Alexis Tsipras, assumiu nesta sexta-feira (28/07) a responsabilidade política pela tragédia ocasionada pelos incêndios que ocorreram esta semana no país e que fizeram ao menos 88 mortos, incluindo várias crianças.

O chefe do governo grego, que falava ao seu conselho de ministros, em discurso transmitido pela televisão, disse ter convocado os ministros para "assumir integralmente, perante o povo grego, a responsabilidade política por essa tragédia".

Apesar de ter anunciado uma lista de medidas após o desastre, o governo de esquerda do país foi alvo de fortes críticas por sua reação à tragédia, considerada lenta, e também pelo pacote de medidas para as vítimas, considerado insuficiente.



Críticos cobraram que o governo assumisse uma responsabilidade maior pela tragédia. Já o governo afirmou que não houve tempo para retirar moradores porque as chamas se espalharam muito rapidamente.

Tsipras não era visto em público desde terça-feira, quando anunciou três dias de luto oficial. A ausência dele ampliou as críticas sobre a reação governamental à tragédia, já considerada a pior na história moderna da Grécia.

Especialistas afirmaram que um misto de mau planejamento urbano, incluindo a falta de rotas apropriadas de acesso à praia, e muitas construções próximas de áreas florestais, incluindo casas construídas sem licença, aumentaram as proporções do desastre.

Os incêndios na Grécia deixaram ao menos 86 mortos, segundo o mais recente balanço, divulgado pelo chefe do serviço forense de Atenas, Nikos Karakukis. Segundo as autoridades, 53 pessoas continuam hospitalizadas, entre elas quatro crianças, e 11 dos feridos estão em estado crítico.

Das pessoas relatadas como desaparecidas, 40 foram encontradas vivas, de acordo com o ministro da Defesa Civil, Nikos Toskas. De acordo com o Ministério das Infraestruturas, 51% dos 3.546 edifícios já inspecionados estão inabitáveis.

O governo grego divulgou nesta quinta-feira uma série de imagens de satélite para amparar sua denúncia de que os incêndios foram premeditados. Toskas afirmou que há evidências e testemunhos que sustentam essa hipótese.

Segundo ele, em menos de meia hora foram registrados 13 focos de incêndio, todos alinhados paralelamente à estrada, e as fotos e vídeos dos satélites confirmam isso.

AS/lusa/rtr/afp

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App | Instagram | Newsletter