Trump diz ter tido 'relações comerciais' com procurador especial

Trump diz ter tido 'relações comerciais' com procurador especial

GERAL -   

Washington, 30 Jul 2018 (AFP) - O presidente americano, Donald Trump, insistiu neste domingo (29) em que o procurador especial Robert Mueller tem "conflitos de interesse" que deveriam impedi-lo de investigar a interferência russa na eleição de 2016, alegando que os dois tiveram uma relação de negócios.

Em uma série de tuítes dirigidos a minar a credibilidade de Mueller, Trump argumentou que teve "uma relação comercial muito desagradável e polêmica" com Mueller.

A mensagem marca a primeira vez que Trump se estende publicamente sobre suas vagas denúncias a respeito da existência de conflitos de interesse de Mueller.

"Robert Mueller alguma vez revelará seus conflitos de interesse em relação ao presidente Trump, incluindo o fato de que tivemos uma relação muito polêmica e desagradável de negócios, eu o rejeitei para que dirigisse o FBI (um dia antes de ser nomeado procurador especial) e que Comey é seu amigo próximo?", escreveu Trump.

James Comey foi demitido como diretor do FBI em maio de 2017 por Trump e, desde então, foi muito crítico com o presidente.

Em janeiro passado, o jornal "The New York Times" publicou que Trump tentou demitir Mueller em junho de 2017, mas recuou depois que o assessor da Casa Branca Don McGahn ameaçou renunciar se ele fosse adiante em sua decisão.

O NYT disse que Trump citou três conflitos de interesses que - segundo ele - desqualificariam Mueller para continuar sua investigação.

Os supostos conflitos incluem: uma disputa sobre as taxas de sócios no Clube Nacional de Golfe, de propriedade de Trump; o trabalho para um escritório de advogados que uma vez representou o genro do presidente Jared Kushner; e uma reunião para ser diretor do FBI um dia antes de ser nomeado procurador especial.