Um dia parou de chover: como o Saara foi de mata com rios e gente a deserto

Um dia parou de chover: como o Saara foi de mata com rios e gente a deserto

GERAL -   

  • Jerome Delay/AP

Um dos maiores desertos do planeta, o Saara já teve mata, árvores, rios, animais e até gente morando. Mas, gradualmente, a chuva foi se tornando cada vez mais rara, até que a área se tornou completamente árida.

O período "verde" do deserto africano durou cerca de 5.000 anos - o que, apesar de parecer muito, para a escala global é considerado um intervalo curto. Foi, na verdade, um hiato: os cientistas estimam que a área era desértica antes e viu as chuvas chegarem há 10.500 anos, para novamente desaparecer 5.500 anos atrás.

Por meio da análise de restos humanos e de animais encontrados em mais de 150 sítios arqueológicos, o geólogo e climatologista Stefan Kröpelin, da Universidade de Colônia, na Alemanha, concluiu que a região que hoje é um gigante banco de areia abrigou assentamentos humanos bem estruturados, com criação de cabras e ovelhas.

No setor egípcio do deserto, com as chuvas, o que era aridez se transformou em semiárido. Gramíneas e arbustos começaram a dominar a paisagem. Pequenos lagos se formaram atraindo animais como girafas. Mais ao sul, na região onde hoje fica o Sudão, o clima era ainda mais convidativo à vida, com árvores, grandes rios e animais como "elefantes, rinocerontes, crocodilos e mais de 30 espécies de peixes", enumerou o pesquisador no estudo publicado em 2006.

O Saara nunca chegou a ser uma floresta densa, mas chegou a ter áreas de savanas comparáveis, por exemplo, com o cerrado brasileiro.

Por que começou a chover?

A transição do clima árido para o chuvoso no Saara deveu-se sobretudo a mudanças naturais no movimento do planeta.

"A ciência estabeleceu que a principal causa destas transições tem a ver, em primeiro lugar, com parâmetros orbitais da Terra e diferenças de insolação do Hemisfério Norte e Hemisfério Sul", disse ao UOL Carlos Nobre, climatologista do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo (USP). 

Com mais chuva, chegou mais vegetação, que por sua vez protegeu o deserto da insolação e manteve as chuvas por mais tempo, sugere outro estudo, realizado pelo físico William Boos, da Universidade Yale, e pelo físico e cientista ambiental Robert Korty, da Universidade Texas A&M, também nos Estados Unidos.

E por que parou?

Os cientistas ainda procuram respostas para entender por que a chuva que havia chegado ao Saara foi embora. Acredita-se, novamente, ter havido uma combinação de fatores, incluindo a ação humana.

"No caso do Saara, essas transições são principalmente ocasionadas por variações naturais. Porém a rápida transição 5 mil anos atrás pode ter tido algum elemento de ação humana, ainda que de populações nômades pré-históricas de baixa densidade de pessoas", diz o pesquisador 

"Há sugestões de que excesso de pastoreio pelas populações pré-históricas pode ter contribuído para a redução da vegetação", completa
Divulgação
Deserto do Saara é o terceiro maior do planeta, após as áreas secas dos polos norte e sul

São Paulo pode virar um 'Saara'?

Diante da estiagem prolongada vivida no Sudeste, a pergunta é natural. E os pesquisadores dizem que, apesar de preocupante, o cenário não indica um processo de desertificação em São Paulo.

"Nos cenários do IPCC, o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, o que se projeta é que as chuvas no sul e parte do sul do Sudeste não iriam diminuir, podendo ter até um pequeno aumento", diz Carlos Nobre.

"Aumento de chuvas, entretanto, não significa mais água disponível, pois com o grande aumento de temperatura projetado, aumenta também a perda por evaporação. Então, nesse sentido, deve haver, sim, preocupação com questões de abastecimento para a megametrópole", projeta.

O aumento das chuvas deve se alternar com períodos de longa estiagem. "Há que se preparar para este cenário", diz Nobre.

Os cenários de aquecimento global indicam um aumento da frequência e da intensidade dos extremos

Carlos Nobre, climatologista da USP

Alerta para a Amazônia e para o Nordeste

Se São Paulo não deve virar deserto, o território brasileiro tem duas regiões que, segundo o pesquisador, despertam preocupação.

"A maioria dos estudos encontra que uma maior parte da Amazônia poderia perder as florestas devido a três fatores: desmatamento, aquecimento global e incêndios florestais. E em casos extremos de aquecimento global, há cenários que indicam que o semiárido do Nordeste se expandiria para oeste atingido praticamente todo o Maranhão", diz o pesquisador.

Com o agravamento do aquecimento global, aliás, "o semiárido do Nordeste poderia, sim, tornar-se em um semideserto, com chuvas anuais inferiores a 0,5 metro", diz.

Um estudo recém-divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostra que, entre 2013 e 2017, 48,6% dos 5.570 municípios brasileiros enfrentaram seca.

Em relatório consolidado com dados até o fim de junho, o governo federal reconhecia problemas decorrentes de estiagem em 184 cidades, sob estado de emergência, nos estados do Pará, Goiás, Ceará, Paraíba, Piauí, Bahia e Minas Gerais.