May e príncipe William lembram centenário da Batalha de Amiens

May e príncipe William lembram centenário da Batalha de Amiens

GERAL -   

Paris, 8 ago (EFE).- A primeira-ministra do Reio Unido, Theresa May, e o príncipe William, neto da rainha Elizabeth II, lembraram nesta quarta-feira o centenário da Batalha de Amiens, que teve a participação dos britânicos e cujo resultado contribuiu para decidir o curso da Primeira Guerra Mundial (1914-1918).

Os dois foram recebidos na entrada da Catedral de Notre-Dame de Amiens, no norte da França, pela ministra da Defesa da França, Florence Parly.

Em discurso, a primeira-ministra britânica destacou que o efeito de Amiens foi mais moral do que territorial, porque foi o momento em que a Alemanha se deu conta de que a ofensiva não significaria a derrota dos aliados.

"Lembramos com profundo respeito todos os que serviram nos dois lados do campo de batalha e agradecemos a coragem que fez com que as armas finalmente silenciassem", afirmou.

O duque de Cambridge, segundo na linha de sucessão da coroa britânica, disse que sem essa batalha na qual muitas nações se uniram para combater a vitória dos aliados na Primeira Guerra Mundial não teria acontecido.

"Amiens simbolizou o acordo cordial, a cooperação sem a qual a vitória teria sido impossível. É muito positivo que esta mesma coalizão tenha se reunido de novo em Amiens hoje, junto ao nosso antigo inimigo, em um ambiente de paz", enfatizou.

O ataque contra a posição alemã começou na madrugada de 8 de agosto de 1918 e o seu primeiro dia foi descrito pelo general Erich Ludendorff como "o dia negro do Exército alemão" pelo impacto que teve no ânimo das tropas. A batalha abriu a Ofensiva dos Cem Dias, que levou à assinatura do armistício de 11 de novembro de 1918, com o qual a Guerra acabou.

Tanto dentro quanto fora do templo, 3 mil pessoas, incluindo descendentes dos combatentes vindos da França e de todos os países da Commonwealth, fizeram homenagens na missa aos milhares de soldados mortos.

Esta foi a segunda vez que May esteve na França em uma semana. Na sexta-feira passada, ela se reuniu com o presidente francês, Emmanuel Macron, no Fort de Brégançon, a residência de verão dos líderes franceses, no sul do país. Macron, que nasceu em Amiens, segue de férias e nem ele nem o primeiro-ministro, Édouard Philippe, participaram do ato. Eles foram representados pela ministra da Defesa.

Participaram da cerimônia o ex-presidente alemão Joachim Gauck e representantes de Canadá, Estados Unidos e Austrália, países que participaram da batalha.