Artilheiro do Atlético-PR no ano, Pablo comemora virada na vida pessoal

Artilheiro do Atlético-PR no ano, Pablo comemora virada na vida pessoal

GERAL -   


Um drible desconcertante e um chute de fora da área: o gol marcado por Pablo contra o Bahia colocou o jogador no topo da artilharia do Atlético Paranaense na temporada, ao lado de Ederson (atualmente no Fortaleza), com 10 gols. Foi o gol que abriu o placar para a vitória por 2 a 0 e que deu ao time a quarta vitória consecutiva no Brasileirão.

"Esses quatro jogos que a gente pegou em sequência em casa, somar os 12 pontos, foi fundamental, pra ver onde a gente está na tabela", comemorou em entrevista coletiva após o jogo com o Bahia.

Da penúltima para a nona colocação, o Furacão vive um outro momento no ano, assim como Pablo. "Muita alegria, um momento de satisfação imensa, não só meu, mas da equipe. No lado pessoal, eu vivo um momento de muita alegria. Tudo o que passou com o meu pai, muito difícil, que eu tive o ano passado, comecei o ano bem, aí turbulência na vida pessoal."

Em 2017, Pablo esteve às voltas com um problema de saúde grave do pai, Cícero . Nesse ano, não só o pai está recuperado como também irá ser avô: "Pouca gente sabe, mas muitos jogadores tem problemas com suas famílias. A gente é cercado pela família. Mas esse ano tem sido o inverso. Muitos gols, meu pai se recuperando bem, muito bem, eu vou ser pai... então tô muito feliz mesmo."

Pablo fez 30 jogos no ano pelo Atlético e, além dos 10 gols, ainda deu seis assistências. Desde que Tiago Nunes assumiu a equipe foram cinco gols em 11 jogos com o novo técnico.

Nesta segunda, Pablo foi convidado do canal SporTV para falar sobre a fase dele. Entre as respostas, uma comparação entre o time que era comandado por Fernando Diniz e o que está agora reagindo no Brasileirão sob o comando de Tiago Nunes. "A gente começou muito bem com ele (Diniz), o trabalho estava sendo muito bem feito, o Brasil inteiro falando do Atlético. Tanto é que essa questão da posse de bola o Tiago manteve, de ter a posse, trabalhar, ter paciência. O maior exemplo foi contra o Vasco."

Sobre a saída do ex-técnico, Pablo comentou: "O que mais pegou mesmo foram os resultados. Quando eles não vem, a gente sabe como é o futebol brasileiro. E a confiança vai lá para baixo. Depois da Copa o Tiago mudou, colocou uma linha de quatro, pediu um time mais agudo."