Congressistas pedem renúncia imediata do procurador-geral do Peru

Congressistas pedem renúncia imediata do procurador-geral do Peru

GERAL -   

Lima, 3 set (EFE).- Um grupo de congressistas de diferentes partidos políticos exigiu nesta segunda-feira a renúncia do procurador-geral do Peru, Pedro Chávarry, cujo nome está incluído em um relatório que o aponta como parte de uma organização criminosa com vínculos com a Justiça.

"A procuradora Sandra Castro concluiu, em um relatório remetido hoje ao procurador supremo Pablo Sánchez, que três dos cinco procuradores supremos atuais estão envolvidos nos 'Cuellos Blancos del Puerto' (colarinhos brancos do Porto), então, para que possam ser investigados, têm que ser afastados", afirmou o congressista independente Gino Costa.

A declaração acrescenta que legisladores de todas as bancadas do Congresso, com exceção do partido fujimorista Força Popular e do Partido Aprista Peruano (PAP), assinaram o documento que apresentaram ao Ministério Público para solicitarem que tanto Chávarry como os procuradores supremos Tomás Gálvez e Víctor Rodríguez "sejam afastados de seus cargos para que sejam investigados".

"É imperativo que renunciem ao cargo. Se não renunciarem, convocaremos a mobilização da população até que eles deixem o cargo. Não existe a possibilidade de fazer uma reforma jurídica se essas pessoas continuarem no cargo", analisou Costa.

As procuradoras Sandra Castro e Rocío Sánchez investigam há seis meses a rede criminal chamada "Cuellos Blancos del Puerto", que era presumivelmente liderada pelo suspenso juiz supremo César Hinostroza e negociava decisões e traficava ascensões na Justiça.

Castro apresentou uma denúncia baseada em relatos de colaboradores envolvidos no caso. Eles declararam que a eleição de Chávarry ao atual cargo, em julho passado, atendeu aos interesses da organização criminosa para manter a influência na Justiça.

Enquanto os congressistas entregavam o documento na sede do Ministério Público, a poucos metros de distância, um pequeno grupo de simpatizantes do partido fujimorista Força Popular chegou ao Palácio Legislativo para protestar. Segundo os manifestantes, Chávarry "luta contra os corruptos".

Esses manifestantes foram confrontados por outros cidadãos que pediam a saída do atual procurador-geral, cuja renúncia imediata também foi exigida por instituições como a Associação Civil Transparência e o Instituto de Defesa Legal.