Trump diz acreditar que jornalista saudita está morto

Trump diz acreditar que jornalista saudita está morto

GERAL -   

Washington, 18 out (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta quinta-feira acreditar que o jornalista saudita Jamal Khashoggi, desaparecido há duas semanas em Istambul, está morto, e alertou que o caso terá duras consequências.

"Certamente me parece", disse Trump ao ser perguntado se Khashoggi, visto com vida pela última vez ao entrar no consulado da Arábia Saudita na cidade turca, teria morrido.

Trump também afirmou a jornalistas, antes de embarcar para um comício político no estado de Montana, que o suposto crime "terá duras consequências".

Mais cedo, em entrevista ao jornal "The New York Times", Trump disse que só um milagre evitaria que o jornalista não estivesse morto.

"A não ser que o milagre dos milagres acontecesse, pensaria que está morto. (...) Me baseio para isso em tudo o que chega à Inteligência de todas as partes", afirmou.

Trump assim se pronunciou após ser informado sobre as novidades do caso pelo secretário de Estado, Mike Pompeo, recém chegado de uma viagem a Riad e Ancara.

Pompeo pediu ao presidente que conceda "mais alguns poucos dias" à Arábia Saudita para investigar o desaparecimento do jornalista, embora não tenha especificado quando espera que essa investigação termine.

Ontem, Trump ressaltou que o mais importante para ele era saber se o rei saudita, Salman bin Abdulaziz, e o príncipe herdeiro, Mohammed bin Salman, sabiam algo sobre o possível assassinato do jornalista.

Khashoggi desapareceu no último dia 2 após entrar no consulado da Arábia Saudita em Istambul, e as investigações da polícia da Turquia apontam que o jornalista, que vivia desde 2017 em Washington, pode ter sido assassinado na legação diplomática, algo que as autoridades sauditas rechaçaram.