Conselho Europeu debate sumiço de jornalista, e membros pedem investigação

Conselho Europeu debate sumiço de jornalista, e membros pedem investigação

GERAL -   

Bruxelas, 18 out (EFE).- O Conselho Europeu debateu nesta quinta-feira, em Bruxelas, o possível assassinato do jornalista saudita Jamal Khashoggi - desaparecido desde o último dia 2, quando entrou no consulado de seu país em Istambul, na Turquia - e vários países que o compõem pediram explicitamente a abertura de uma investigação sobre o caso.

"Acho que não só eu, mas outros colegas e o resto da União Europeia exigem total transparência e esclarecimento da Arábia Saudita", afirmou o chanceler austríaco, Sebastian Kurz.

O chanceler afirmou que o caso do jornalista, que, conforme vários indícios, pode ter sido torturado, decapitado e esquartejado dentro do consulado da Arábia Saudita, foi abordado na cúpula do Conselho - integrado por chefes de Estado ou de governo dos países da União Europeia, além de outros líderes do bloco -, mas não houve conclusões a respeito.

Kurz acrescentou que hoje não foram debatidas possíveis sanções à Arábia Saudita, mas que é "possível que existam consequências" por parte da União Europeia.

Na reunião, o presidente da França, Emmanuel Macron, disse condenar "qualquer ataque à liberdade de imprensa e aos jornalistas que denunciam e arriscam sua vida em contextos tão incertos". Ele pediu que os fatos sejam esclarecidos e afirmou que o caso é "muito grave".

Já o primeiro-ministro da Irlanda, Leo Varadkar, pediu uma "investigação direta" dos fatos.

"Temos muita preocupação com isso, e a informação que foi divulgada a respeito teve grande impacto no que se refere às relações com a Arábia Saudita", disse.