Jovem diz ter sido agredido com barra de ferro em campanha pró-PT no Rio

Jovem diz ter sido agredido com barra de ferro em campanha pró-PT no Rio

GERAL -   

  • Arquivo pessoal

    Jovem diz ter sido espancado por fazer campanha pró-Haddad no Rio (foto foi cortada para preservar sua identidade)

    Jovem diz ter sido espancado por fazer campanha pró-Haddad no Rio (foto foi cortada para preservar sua identidade)

Um estudante de história da Unirio (Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro) diz ter sido encurralado e agredido na cabeça com uma barra de ferro durante uma panfletagem a favor do presidenciável Fernando Haddad (PT). O caso ocorreu na noite de sexta-feira (19) na praça Lauro Müller, no bairro de Botafogo, na zona sul do Rio. Ele ainda não registrou queixa na delegacia com medo de represálias. 

De acordo com o jovem e um amigo que estava com ele no momento da agressão, um grupo de seis homens se aproximou dos cerca de 15 estudantes que distribuíam material de campanha no local e iniciou uma discussão com gritos de "vai morrer" e "rala daqui".

Um dos universitários foi abordado com dois socos nas costas e ordens para deixar o local. Nesse momento, começou a confusão, e o estudante L* (seu nome será preservado a seu pedido por questões de segurança, assim como a imagem que ilustra essa reportagem) se aproximou para tentar intervir. No entanto, ele acabou atingido no rosto com uma barra de ferro por um dos agressores. 

De acordo com a vítima, mesmo após cair no chão, continuou a ser agredido.

"Éramos um grupo de alunos na praça. Do nada, chegaram uns homens e começaram a agredir um amigo meu. Corri para intervir e tirar ele do local, mas, assim que cheguei, me empurraram e um deles veio com uma barra de ferro e me agrediu. Tentei correr, mas a visão escureceu, eu fiquei tonto e acabei caindo e eles ainda me bateram mais ainda", contou o universitário, de 22 anos, ao UOL .

Ele afirma acreditar que foi o único a ser agredido com barra de ferro por ser negro. "O garoto que estava panfletando era branco, um outro garoto também branco tentou separar [a briga], mas, quando eu fui, eles já chegaram me empurrando e acertando um golpe com barra de ferro."

Segundo relato do primeiro aluno a ser abordado pelos homens, o nome do candidato Jair Bolsonaro (PSL) foi pronunciado pelo grupo. 

"Começaram a gritar: 'Vai morrer'. Perguntei [ao agressor] se ele estava falando comigo. Perguntei numa boa, porque eu não tinha total certeza e queria saber o motivo disso. Nisso ele não me respondeu e veio para cima de mim, começou a gritar comigo e mandar eu e os meus amigos irem embora, 'rala da praça". Como eu não queria arrumar confusão, virei de costas e comecei a arrumar minhas coisas. Logo após ele gritou no meu ouvido 'rala daqui' e me deu dois socos nas costas. Um dos meus amigos o empurrou e, quando vi, uns seis caras vieram para cima da gente, primeiramente em específico no meu amigo L* que é negro."

Nas redes sociais, um terceiro aluno presente na panfletagem afirmou que nunca presenciou tanta violência. "Meu amigo negro, que é a pessoa mais doce e justa que conheço, tenta separar a briga. Pronto: os covardes encontraram seu alvo. Em branco, eles têm medo de bater. Vai que é filho de alguém (...) Fomos cercados pelos dois lados e [só vi] a barra de ferro descendo sobre o L*, uma amiga gritando de desespero, o L* levantando cambaleante, caindo outra vez, levando um chute, no chão, completamente indefeso. A cena é assustadora."

O jovem agredido com a barra de ferro foi levado de ambulância para o hospital Souza Aguiar, no centro da cidade. Ele recebeu alta na manhã deste sábado (20) com um hematoma no olho direito. A vítima disse ao UOL que, além do olho machucado, está com dores no corpo e inchaços. Também sente medo. "Eu passo ali todo dia. Fico com medo de denunciar. Ficar com o rosto marcado", disse a vítima. 

No entanto, um dos jovens informou que pretende fazer boletim de ocorrência.

De acordo ainda com os estudantes da Unirio, policiais militares que chegaram ao local para conter a confusão, "desaconselharam" fazer a denúncia na delegacia.

"Chamamos a polícia e depois de uma longa conversa os próprios policiais basicamente disseram que não iria dar em nada e que era melhor não levar tão a fundo, já que a praça é caminho da faculdade e podem marcar a nossa fisionomia e nos pegarem quando estivermos sozinhos."

Procurada, a PM ainda não se manifestou sobre o caso.

Após o episódio envolvendo o grupo de estudantes da Unirio convocou um ato contra a violência para a próxima segunda-feira (22) na praça em Botafogo.

Violência se espalha pelo país

No dia 10 deste mês, uma transexual foi agredida, também com uma barra de ferro, na cidade de Nova Iguaçu , na Baixada Fluminense.

Em depoimento ao UOL , ela afirmou que o nome do presidenciável [Jair Bolsonaro] está sendo usado para justificar agressões ao público LGBT, sejam apoiadores do candidato ou não. Foi registrada denúncia na polícia.

Trata-se de mais um caso de uma série de agressões com apologias ao candidato.

Antes de Jullyana Barbosa, o mestre de capoeira Romualdo Rosário da Costa, 63, conhecido como Moa do Katendê, foi assassinado a facadas , em um bar na avenida Vasco da Gama, próximo ao Dique do Tororó, em Salvador.

O inquérito policial concluiu que a motivação do assassinato foi político-partidária entre Moa e Paulo Sérgio Ferreira, 36, que foi preso. Segundo as investigações, Moa disse que era contrário ao candidato Jair Bolsonaro do PSL e acabou sendo esfaqueado.

Ainda neste mês, uma jovem de 19 anos relatou que teve uma suástica riscada na barriga por um canivete em Porto Alegre . Segundo ela, o ataque aconteceu porque ela estava usando uma camiseta do movimento #EleNão, opositor a Bolsonaro.