As vocações das sete principais cidades de Santa Catarina 
<p><br></p><p>Desenvolver os segmentos produtivos em Florianópolis, Joinville, Blumenau, Itajaí, Chapecó, Lages e Criciúma é um dever dos próximos prefeitos. O Diário Catarinense percorreu 1,7 mil quilômetros, esteve nas cidades, ouviu lideranças e identificou as vocações que as impulsionarão para o futuro. </p><p>Na primeira semana, o repórter Upiara Boschi, o fotógrafo Diorgenes Pandini e o motorista Rafael Koch subiram a BR-101 em busca dos desafios portuários de Itajaí, do têxtil e da tecnologia de Blumenau e da indústria de Joinville. Na seguinte, com Robson Santos ao volante, foi a vez de encarar 550 quilômetros na BR-282 que separam a Capital de Chapecó, para entender os dilemas do agronegócio. Pela mesma rodovia a equipe foi a Lages atrás do setor madeireiro e depois encarou a Serra do Rio do Rastro para chegar a Criciúma em busca dos entraves da cerâmica. </p><p><b> Veja mais sobre as Eleições 2016 </b></p><p>Em todas as cidades, uma mesma pergunta: o que o próximo prefeito pode fazer pelo setor responsável pela maior parte das economias locais – e, consequentemente, de toda Santa Catarina. Em quatro delas, a tecnologia apresentou protagonismo no desenvolvimento e surgiu como alternativa a antigas vocações. Nem sempre os desafios estão ao alcance da caneta do gestor municipal, mas uma coisa ficou clara nesse giro de 1.753 quilômetros: os candidatos precisam se comprometer com as vocações das cidades que querem administrar.</p><p>Clique na imagem para acessar o especial completo<br></p> <p><br></p><p><br></p><p><br></p><!– contentFrom:cms –>
Fonte: Diário Catarinense