<p>Como combater a resistência aos antibióticos, uma questão que gera grande preocupação entre as autoridades da saúde? Entre as pistas exploradas, pesquisadores desenvolveram uma “bomba genética” capaz de atacar bactérias resistentes sem matar aquelas que são boas para o organismo.</p><p>”O desenvolvimento dessas abordagens direcionadas é essencial” para combater a crescente resistência das bactérias aos antibióticos, declarou à AFP Didier Mazel, pesquisador do Instituto Pasteur.</p><p>Ele é o autor principal de um estudo correalizado com a Universidade Politécnica de Madri e publicado nesta segunda-feira na revista Nature Biotechnology.</p><p>Quando se toma um antibiótico, o tratamento não faz nenhuma seleção: ataca as bactérias responsáveis por doenças, mas também as bactérias benéficas que vivem em nosso intestino.</p><p>Isso leva a um desequilíbrio da flora bacteriana, que pode promover o desenvolvimento de bactérias resistentes ao antibiótico.</p><p>”Ao matar todas as bactérias, criamos um enorme espaço para aquelas que resistem, já que não têm mais competidoras”, explica Didier Mazel.</p><p>Para evitar esse efeito “tapete de bombas”, ele e sua equipe desenvolveram uma estratégia alternativa, explicada em um vídeo pedagógico (https://youtu.be/dLYL1rNXBX0).</p><p>Eles criaram uma estrutura que compararam com uma “granada genética”, carregando uma carga explosiva e um alfinete de segurança.</p><p>Carrega uma toxina que é ativada apenas na presença de uma molécula específica da bactéria-alvo: o que permite matar as bactérias responsáveis por doenças sem atacar as boas bactérias da flora intestinal.</p><p>Esta “bomba” atua por meio de um mecanismo específico para bactérias, que trocam genes por um processo chamado “conjugação”.</p><p>Os pesquisadores então refinaram sua arma para que pudesse atacar apenas cepas de bactérias resistentes aos antibióticos, que carregam genes específicos.</p><p>O mecanismo foi testado em uma bactéria chamada Vibrio cholerae, que tem como hospedeiros naturais alguns peixes e crustáceos.</p><p>Os pesquisadores conseguiram matar especificamente esta bactéria em peixe-zebra e larvas de crustáceos.</p><p>Vibrio cholerae é responsável pela cólera em humanos.</p><p>”Além disso, as vibrios incluem um grande número de espécies patogênicas para humanos (V. parahaemolyticus, V. vulnificus), mas também para animais aquáticos, peixes, ostras, camarões, para os quais poderíamos facilmente aplicar nossa abordagem”, garante Didier Mazel.</p><p>”O sistema está ajustado e pode ser facilmente adaptado a outras bactérias”, diz o pesquisador, que afirma que “o verdadeiro desafio agora é melhorar o processo de entrega” por conjugação.</p><p>As autoridades mundiais de saúde alertam regularmente sobre o perigo do consumo excessivo de antibióticos, que produz bactérias resistentes e temíveis.</p><p>Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), “a resistência aos antibióticos é uma das ameaças mais graves à saúde global hoje”.</p><p>”Se não tomarmos medidas de emergência, logo entraremos em uma era pós-antibiótica em que infecções comuns e pequenas feridas serão fatais novamente”, alerta a OMS.</p><p>pr/BC/ial/pta/mr/tt</p><p> * AFP </p><!– contentFrom:cms –>
Fonte: Diário Catarinense