<p>Os principais acontecimentos no Irã desde a Revolução Islâmica de 1979.</p><p>- Revolução Islâmica -</p><p>No dia 1o. de fevereiro de 1979, o aiatolá Ruhollah Khomeini retorna a Teerã depois de 15 anos de exílio, após a fuga do xá Mohamed Reza Pahlevi, que deixou o país em 16 de janeiro ante a pressão das ruas contra o regime.</p><p>Em 11 de fevereiro, a rádio iraniana, batizada “Voz da Revolução”, anuncia “o fim de 2.500 anos de despotismo”.</p><p>No dia 1o. de abril é proclamada a República Islâmica.</p><p>- Reféns americanos -</p><p>Em 4 de novembro de 1979, estudantes islamitas invadem a embaixada dos Estados Unidos em Teerã e tomam como reféns 52 diplomatas. Denunciam a hospitalização do xá nos Estados Unidos e exigem seu retorno ao Irã.</p><p>A tomada de reféns dura 444 dias.</p><p>Em abril de 1980, Washington rompe as relações diplomáticas com Teerã e impõe um embargo comercial, 10 meses antes da libertação dos últimos reféns.</p><p>- Guerra Irã-Iraque -</p><p>Em 22 de setembro de 1980, o Iraque envia sua força militar ao território do Irã, depois que Bagdá denuncia os acordos de Argel de 1975, que deveriam encerrar um conflito na fronteira entre os dois países a respeito do rio Shatt al-Arab.</p><p>Em agosto de 1988 entra em vigor um cessar-fogo, após uma guerra que deixou um milhão de mortos.</p><p>- De Khamenei a Khatami -</p><p>Após a morte de Khomeini em junho de 1989, o aiatolá Alí Khamenei, presidente desde 1981, se torna o guia supremo do país.</p><p>Akbar Hashemi Rafsanjani é eleito presidente em julho do mesmo ano e reeleito em 1993. Este conservador moderado lidera a reconstrução do país país depois da guerra com o Iraque e inicia uma política de abertura com o Ocidente.</p><p>Em 23 de maio de 1997, o reformista Mohamad Khatami é eleito presidente. Seu mandato foi marcado por protestos e manifestações estudantis. Ele foi reeleito em 2001.</p><p>- Ahmadinejad, o ultraconservador -</p><p>No início de 2002, o presidente americano George W. Bush inclui o Irã no chamado “eixo do mal”, ao lado de Iraque e Coreia do Norte, acusando o país de desejar “exportar o terrorismo” e produzir armas de destruição em massa.</p><p>Em 25 de junho de 2005, Mahmud Ahmadinejad vence a eleição presidencial e o Irã retoma o programa de enriquecimento de urânio.</p><p>Ahmadinejad multiplica as declarações que questionam o Holocausto e diz que Israel deveria ser “apagado do mapa”.</p><p>Em junho de 2009, sua reeleição provoca um movimento de contestação em Teerã violentamente reprimido.</p><p>- Rohani, um religioso moderado -</p><p>Em 15 de junho de 2013, Hassan Rohani, partidário de uma flexibilidade maior em relação ao Ocidente, é eleito presidente.</p><p>Em setembro, Rohani e Barack Obama conversam por telefone, algo que não acontecia entre presidentes do Irã e dos Estados Unidos desde 1979.</p><p>Em 14 de julho de 2015, um acordo sobre o programa nuclear do Irã com as grandes potências encerra 13 anos de disputas. O pacto assegura o caráter civil do programa iraniano em troca de uma suspensão em 10 anos das sanções internacionais.</p><p>- Aliado de Assad -</p><p>Reforçado pelo acordo nuclear, o Irã se apresenta como um ator importante na guerra na Síria, onde é, ao lado da Rússia, o principal aliado do regime de Bashar al-Assad, com uma ajuda militar e econômica.</p><p>- Ruptura com a Arábia Saudita -</p><p>No início de janeiro de 2016, a Arábia Saudita e seus aliados rompem ou reduzem as relações diplomáticas com Teerã, após uma crise desencadeada pela execução de um líder xiita saudita.</p><p>Os países acusam o Irã de interferência nos assuntos dos países árabes e de atiçar conflitos como os da Síria ou Iêmen.</p><p>- Protesto -</p><p>Em 19 de maio 2017, Rohani é reeleito graças ao apoio dos reformistas e de grande parte da juventude.</p><p>Entre 28 de dezembro e 1 de janeiro de 2018, dezenas de cidades registram distúrbios que deixaram pelo menos 25 mortos, à margem de manifestações não autorizadas contra a situação econômica e social e contra o poder.</p><p>- Saída americana do acordo -</p><p>Em 8 de maio de 2018, o presidente Donald Trump anuncia a saída dos Estados Unidos do acordo nuclear e o restabelecimento das sanções contra Teerã e contra as empresas com vínculos com a República Islâmica.</p><p>As sanções, retomadas em agosto e em novembro, afetam especialmente os setores petroleiro e financeiro do Irã.</p><p> * AFP </p><!– contentFrom:cms –>
Fonte: Diário Catarinense