<p>O chefe do Escritório Nacional de Estatísticas (NBS, na sigla em inglês) da China, Ning Jizhe, afirmou que a economia do país “enfrenta pressão para baixo” e apontou particularmente “o complicado e severo ambiente externo”. As afirmações foram feitas durante coletiva para comentar os dados do Produto Interno Bruto (PIB) do país do quarto trimestre e de 2018, divulgados nos primeiros minutos desta segunda-feira, 21.</p><p>O PIB da China cresceu 6,4% no quarto trimestre na comparação anual, resultando em uma expansão de 6,6% ao longo de 2018, o menor avanço em 28 anos. O dado comprova a desaceleração da segunda maior economia do mundo, que vem sendo exacerbada pela briga comercial com os Estados Unidos. Investimentos, gastos no varejo e atividade fabril tiveram crescimento menor no período, reportou o NBS.</p><p>Em dezembro, as exportações se contraíram mais fortemente do que a previsão, com as tarifas impostas pelos EUA começando a reduzir a demanda.</p><p>As expectativas incertas para os exportadores chineses levaram empresas, em 2018, a adiar investimentos, contratações, e, em alguns casos, a recorrer a demissões, uma prática que costuma ser desencorajada pelos governantes do Partido Comunista, preocupados com a estabilidade do país. A taxa oficial de desemprego subiu para 4,9% em dezembro, de 4,8% no mês anterior.</p><p>Alguns economistas dizem que a economia chinesa está bem mais fraca do que a taxa de expansão de 6,6% em 2018 sugere. Eles notam que a revisão baixista feita pelo governo na sexta-feira do PIB de 2017 (de 6,9% para 6,8%) ajudou a reduzir a base de comparação para o dado do ano passado, impulsionando-o levemente.</p><p>Para 2019, economistas esperam que o crescimento do país asiático tenha arrefecimento adicional, para 6,3% ou aquém disso.</p><p>”O crescimento continuará sob pressão nos próximos meses”, disse em relatório Louis Kuijs, da Oxford Economics. “Os riscos principais são a atual tensão comercial e que o crescimento do crédito não se recupere”, completou.</p><p>”O risco de baixa para as perspectivas de expansão da economia chinês é a escalada da guerra comercial com os EUA, caso a trégua temporária termine sem qualquer acordo”, ressaltou Rajiv Biswas, da IHS Markit.</p><p>Mas, ao longo do ano, os analistas acreditam que os esforços do governo chinês para estimular a economia devem ganhar tração, embora as exportações fracas têm adiado a previsão de melhora.</p><p>Os líderes em Pequim, no entanto, disseram que as empresas e os investidores não devem esperar que o crescimento recupere os níveis de dois dígitos da década passada. Fonte: Dow Jones Newswires e Associated Press.</p><!– contentFrom:cms –>
Fonte: Diário Catarinense