Dilma: “fala infame e irresponsável de Bolsonaro revela seu desprezo pela vida da população”

Últimas notícias -

Dilma Rousseff e Jair Bolsonaro

Ex-presidente Dilma Rousseff condena pronunciamento de Jair Bolsonaro e defende medidas concretas para proteger a população e a economia. "Brigar com os governadores é um crime contra a federação. É também uma tolice. Ele será atropelado por seu imobilismo diante da duração e do tamanho, tanto da crise do coronavirus, como do debacle econômico"

A ex-presidente Dilma Rousseff condenou o pronunciamento de Jair Bolsonaro na noite dessa terça-feira, 24, em cadeia de rádio e TV, em que ele fala que o Covid-19 é "gripezinha", pede para pessoas voltarem ao trabalho e ataca o médico Drauzio Varella. 

"Bolsonaro mostra-se um psicopata eleitoreiro e pretensioso ao nada fazer e ainda culpar os governadores, a imprensa e os que usam a ciência contra o vírus. Lança os dados de um jogo macabro: se a epidemia diminuir, ele dirá que tinha razão e era apenas uma gripezinha; se aumentar, dirá que o isolamento de nada adiantou. Assim, em qualquer hipótese, aposta na morte", diz Dilma em artigo publicado em seu site. 

Para a ex-presidente, a estratégia de Bolsonaro de atacar governadores é "pobre e de curto prazo". "Brigar com os governadores é um crime contra a federação. É também uma tolice. Ele será atropelado por seu imobilismo diante da duração e do tamanho, tanto da crise do coronavirus, como do debacle econômico, que finge querer evitar. São necessárias medidas rápidas, amplas e abrangentes para proteger as pessoas, a sociedade e a nação. O isolamento social é necessário e as medidas econômicas imprescindíveis", defende a ex-presidente petista. 

Leia abaixo, o texto na íntegra:

Isolamento e dinheiro

Por Dilma Rousseff

E aí começam a aparecer alguns impasses. Na ordem neoliberal que ele impôs, não há dinheiro para a saúde, para garantir os necessários testes generalizados, os respiradores para as UTIs, os equipamentos para a proteção dos profissionais de saúde, e leitos suficientes. É imprescindível a ação do Estado, rompendo com esse neoliberalismo tacanho. O governo Bolsonaro continua sem propostas, sem medidas econômicas e sociais drásticas para conter o coronavirus e a crise econômica. Há que despejar dinheiro no SUS e nos hospitais para impedir que nosso povo morra como moscas.

Tão inepta como a fala de Bolsonaro é a fala de Rodrigo Maia defendendo o corte nos salários do funcionalismo como fonte de recursos, tanto para a crise do Coronavirus, quanto para aquela decorrente da paralisia da economia. Isso nada resolve. Todos os países irão emitir dívida e imprimir moeda emergencialmente, como já estão fazendo os EUA e outros. Consideram que, num quadro drástico de queda da demanda, não haverá inflação, mas provavelmente uma brutal deflação.

Bolsonaro mostra-se um psicopata eleitoreiro e pretensioso ao nada fazer e ainda culpar os governadores, a imprensa e os que usam a ciência contra o vírus. Lança os dados de um jogo macabro: se a epidemia diminuir, ele dirá que tinha razão e era apenas uma gripezinha; se aumentar, dirá que o isolamento de nada adiantou. Assim, em qualquer hipótese, aposta na morte.

Está tentando colocar a culpa pela depressão econômica que certamente se verificará no Brasil, assim como atingirá o mundo, em todos os que não lhe apoiam e alguns que considera inimigos porque, para ele, ameaçam sua reeleição e até mesmo sua estabilidade no cargo.

Toda a sua avaliação, porém, tem um problema: ao ter apenas um objetivo imediato e de curto prazo, erra porque não parece perceber que a crise será profunda e de longo prazo, e mal está começando. Ao desprezar a crise política e de governabilidade que ele mesmo provoca, Bolsonaro não terá fôlego, competência e, em breve, não terá apoio social e político para sobreviver ao colapso sanitário e social do qual é autor, pois contribuiu para a destruição do sistema de saúde, a expulsão dos médicos cubanos que atuavam no país, e das medidas de proteção dos mais pobres.

Focado apenas em sua sobrevivência política eleitoral, Bolsonaro negligencia a sobrevivência do povo e do país que deveria governar. Não admite o que todos já sabem – autoridades mundiais, governantes sensatos, cientistas e a maioria da população: a pandemia do coronavírus e suas sequelas só serão superadas com cooperação e solidariedade entre as Nações, com medidas generosas de proteção às vítimas, sobretudo aos mais pobres e vulneráveis, e com pesados investimentos públicos para preservar os empregos, a renda e as forças produtivas.

O governo Bolsonaro não tem uma resposta econômica e social ampla, efetiva e imediata para a iminência da derrocada da economia, do desemprego, da perda de renda assustadora dos informais, do fechamento de pequenas e microempresas, da redução da demanda em todas as áreas, em especial nas de serviço e indústria. Sobretudo, não percebe que se permanecer na perigosa negação do coronavirus, e apegado às restrições de investimento público, como o teto dos gastos, e às medidas absurdas e pontuais de Guedes, caminharemos para mortes, fome, quebradeira e a inevitabilidade de uma grave comoção social.

A aposta de Bolsonaro, copiando Trump, não dará certo porque ele não tem um Banco Central disposto a imprimir moeda sem restrição, como é o caso do Federal Reserve, que está praticando um “quantitative easing” infinito, e mesmo do acordo imposto pelos democratas a Trump, no Congresso, autorizando a colocação de US$ 2 trilhões de dólares na economia americana, para contemplar não só as empresas, mas o povo americano, com uma renda básica emergencial. Nem tampouco Angela Merkel que defendeu romper com as restrições fiscais e de endividamento clássicas do governo alemão, liberando de imediato recursos para dar sustentação à saúde das pessoas e da economia. A estratégia de Bolsonaro é pobre e de curto prazo. Brigar com os governadores é um crime contra a federação. É também uma tolice.

Ele será atropelado por seu imobilismo diante da duração e do tamanho, tanto da crise do coronavirus, como do debacle econômico, que finge querer evitar. São necessárias medidas rápidas, amplas e abrangentes para proteger as pessoas, a sociedade e a nação. O isolamento social é necessário e as medidas econômicas imprescindíveis.

Gasto público destinado à saúde e à economia!!!


Fonte: Com Agências