<p>Ao menos 31 crianças morreram no norte da Índia nos últimos 10 dias vítimas de uma doença cerebral que muitos acreditam estar vinculada a uma substância tóxica das lichias, anunciaram as autoridades.</p><p>As mortes aconteceram em dois hospitais do distrito de Muzaffarpur, no estado de Bihar, famoso por suas plantações de lichias.</p><p>Todas as crianças mostraram sintomas de Síndrome de Encefalite Aguda (SEA), afirmou à AFP Ashok Kumar Singh, alto funcionário do Departamento de Saúde. Ele disse que muitos sofreram uma perda repentina de glicose no sangue.</p><p>”O Departamento de Saúde já emitiu um alerta para que as pessoas tomem conta de seus filhos durante o verão, quando a temperatura diurna supera 40 graus”, declarou Singh.</p><p>Outras 40 crianças que reclamaram de sintomas similares recebem tratamento em Unidades de Terapia Intensiva.</p><p>”Estamos fazendo todo o possível para salvá-las”, afirmou S.P. Singh, diretor do Hospital Sri Krishna.</p><p>Focos da doença são registrados anualmente durante o verão em Muzaffarpur e nos distritos vizinhos desde 1995, coincidindo normalmente com a temporada da lichia.</p><p>Conhecida localmente como Chamki Bukhar, a doença provocou o número recorde de 150 mortes em 2014.</p><p>Em 2015, pesquisadores americanos afirmaram que a doença poderia estar ligada a uma substância tóxica encontrada na fruta exótica.</p><p>Também destacaram que são necessários mais estudos para descobrir a causa da doença, que provoca convulsões, alteração do estado mental e morte em mais de um terço dos casos.</p><p>Também foram observados focos de doenças neurológicas em regiões de Bangladesh e do Vietnã que cultivam a lichia.</p><p> * AFP </p><!– contentFrom:cms –>
Fonte: Diário Catarinense