Escola municipal de Florianópolis recebe projeto Observador Social Mirim

Objetivo é conscientizar os estudantes a exercerem uma educação fiscal consciente

A Escola Básica Municipal de Florianópolis José do Valle Pereira, localizada no bairro João Paulo, será palco do projeto Observador Social Mirim. A ação ocorreu nesta sexta-feira, 26 de outubro, entre 10h20 e 11h30, com os estudantes dos quartos e quintos anos, além de toda a comunidade escolar. O objetivo é despertar nas crianças a importância da ética e a relevância de exercerem uma educação fiscal de maneira consciente.

Na ocasião, será realizada uma apresentação teatral pelos jovens da Ordem Demolay do Capítulo São José, conversas com as crianças, entrega de materiais e apresentação de algumas músicas ao vivo também realizadas pelos jovens. Nessa exposição serão trabalhados os temas da cartilha do observador social mirim de forma lúdica e dentro de um vocabulário mais voltado aos jovens e crianças.

Para subsidiar as atividades foi desenvolvida uma cartilha chamada de “Caderno de Educação Fiscal”, que é entregue aos estudantes no primeiro encontro. As atividades serão realizadas em metodologias diversificadas para alcançar os diversos modos de apreender e compreender, tais como jogos e teatros de interesse educativo com objetivo de desenvolver a disciplina, cooperação e comprometimento social.

Os alunos receberão, além dos materiais didáticos do Observatório e do Conselho Estadual de Combate à Pirataria (CECOP), um brinde que deve servir de “amuleto” representando uma lupa, o símbolo do projeto, incentivando as crianças a observarem melhor os gastos e investimentos nos setores públicos e privados.

De acordo com o secretário de Educação, Maurício Fernandes Pereira, a cidadania é essencial no contexto da sala de aula. “O processo educativo deve ser responsável por levar os estudantes a perceberem sua importância na vida do outro, suas responsabilidades diante do mundo e as capacidades que devem desenvolver para exercitar essas práticas no decorrer da vida”, enfatiza.

A iniciativa é do Observatório Social de Florianópolis, da Associação Comercial Industrial de Florianópolis, com apoio do Conselho Estadual de Combate à Pirataria e da Secretaria de Educação de Florianópolis. A meta do projeto Observador Mirim é trabalhar as lições de cidadania e educação fiscal com crianças das turmas dos anos iniciais de todas as escolas municipais da Capital.

 

Conscientização e cidadania

 

O professor Charles Schnorr, da Gerência de Projetos Inovadores da SME, informa que o projeto Observador Mirim, que iniciou em 2017 na Capital, consiste em uma atividade de apoio pedagógico e complementação educacional. Destina-se a crianças de ensino fundamental e tem como objetivo promover a orientação vocacional, desenvolver a personalidade vinculada às boas práticas e valorizar a cidadania e autoestima, tendo como tema a importância social dos tributos e o direito e dever de exercer a fiscalização dos recursos públicos.

Para o gestor do Observatório Social de Florianópolis, João Émerton, não basta tentar somente controlar os gastos públicos dos políticos em exercício. “Temos que incentivar e educar aqueles que um dia estarão a frente de nosso país. Por isso, investir em educação é a chave fundamental para mudarmos o Brasil”.

Já para o presidente do CECOP, Jair Antonio Schmitt, esse projeto educacional vai sensibilizar os estudantes nas questões do desenvolvimento da cidadania, além de despertar os valores éticos e atemporais. “É preciso explicar para as crianças de onde vêm os recursos para aquisição de obras e serviços públicos, fornecidos pelo governo, de uma forma simples e compreensível, demonstrando a todas as crianças e adolescentes que eles podem contribuir através de um consumo consciente, junto a um comércio legal. Explicamos também sobre os prejuízos sociais e econômicos causados pela pirataria em nosso estado”, salienta.

O programa Observador Social Mirim foi lançado em maio de 2016 pelo Observatório Social de Brusque e Região, em parceria com a Receita Federal do Brasil. A primeira escola que recebeu a ação foi a Escola Básica Ludovico Fuckner, de Guabiruba. No ano de 2016, o projeto alcançou mais de 800 crianças no município de Guabiruba. Ele então foi ampliado para as escolas de Brusque. Em 2017, serão mais de duas mil crianças alcançadas pelo programa, incluído na agenda escolar de Brusque e Guabiruba.

 


Fonte: Floripa News