<p>A Espanha reconheceu nesta segunda-feira (4) o opositor Juan Guaidó como presidente encarregado da Venezuela – anunciou o primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, após o fim do ultimato ao presidente Nicolás Maduro, que se negou a convocar eleições.</p><p>”O governo da Espanha anuncia que reconhece oficialmente o presidente da Assembleia da Venezuela, o senhor Guaidó, como presidente encarregado da Venezuela para que convoque eleições presidenciais no menor prazo de tempo possível”, afirmou Sánchez no Palácio de Moncloa.</p><p>O reconhecimento a Guaidó tem uma finalidade clara, ressaltou Sánchez: convocar eleições que “têm de ser livres, democráticas, com garantias e sem exclusões”.</p><p>Espanha, França, Alemanha, Reino Unido, Portugal e Holanda – Áustria se somou ao grupo ontem – estipularam o domingo passado como data-limite para Maduro convoque eleições. Em caso contrário, reconheceriam Guaidó, o chefe do Parlamento de 35 anos.</p><p>Pouco depois da Espanha, o Reino Unido também anunciou que reconhecia Guaidó como “presidente constitucional interino” da Venezuela, como tuitou seu ministro das Relações Exteriores, Jeremy Hunt.</p><p>Guaidó se autoproclamou presidente interino em 23 de janeiro, acusando “usurpador” de Maduro por ter sido reeleito em um processo questionável. Ele já havia sido reconhecido por Estados Unidos e Canadá, assim como pelos países latino-americanos que integram o Grupo de Lima.</p><p>Em entrevista divulgada no domingo, Maduro descartou convocar eleições presidenciais. Entre seus aliados, conta com China e Rússia. Ele acusa Washington de usar Guaidó como “marionete” lhe aplicar um golpe de Estado.</p><p> * AFP </p><!– contentFrom:cms –>
Fonte: Diário Catarinense