Especialistas debatem gestão e sustentabilidade financeira das startups
<p>A sustentabilidade das empresas, os entraves para desenvolver startups e a importância de criar um produto que atenda as necessidades do público foram alguns dos temas debatidos no segundo webinar do <strong>projeto Gestão de Valor</strong> , realizado nesta quinta-feira. Mediado por Ânderson Silva, colunista do Diário Catarinense, o encontro online teve a participação de três especialistas em gestão e tecnologia.</p><p>O CEO da Infravias, Aloisio Pereira, abriu o evento falando sobre os três passos para ter um negócio: encontrar um problema, desenvolver uma solução eficiente e montar um plano de negócios para vender o produto. Em sua opinião, a preparação do último fator é o que pode decidir se a empresa conseguirá ser bem sucedida — o que envolve, inclusive, o momento certo para entrar no mercado.</p><p>— Há startups que criam um produto fantástico, mas não conseguem ser remuneradas por isso. Então é necessário entender o modelo de negócio e o tempo de maturação para que a empresa comece a gerar lucro no prazo adequado. Há startups em que esse processo é acelerado, durando de 3 a 5 anos, mas há outros casos em que os empreendedores precisam ser pacientes para entender que ainda não é o momento de vender a empresa — analisa.</p><p>Rodrigo Ventura, Founder da Escola do Financeiro, segue na mesma linha ao frisar a importância da demanda para que o negócio seja viável. Uma de suas premissas é que os empreendedores devem desenvolver um produto que esteja entre as três maiores necessidades dos seus clientes. E como o mercado é dinâmico, pode ser necessário adaptar o planejamento quando o público mudar as prioridades.</p><p>— Quase todas as empresas bem sucedidas não têm mais o modelo de negócio que tinham no início. Elas tiveram a humildade de ouvir o cliente para mudar o seu objetivo. A questão é que, no setor das startups, você tem que ter a rapidez de alterar o planejamento no tempo certo, lastreando essa decisão em fatos e dados para saber o momento adequado — explica.</p><p>O Founder da Geekhunter, Tomás Ferrari, ressaltou que o empreendedor deve ter persistência para não desistir nos momentos de dificuldade e que, antes disso, há possibilidade mudar o conceito, a solução ou o produto que está no mercado. O especialista ainda elencou os dois maiores entraves para o desenvolvimento das startups. </p><p>— Um dos pontos é a gestão de pessoas, porque há necessidade de buscar lideranças para desenvolver os times, então é necessário encontrar alguém com know-how e saber que há um custo alto, se não irá perder a pessoa para outras empresas. Outro fator é a burocracia. Em um mercado acelerado e competitivo, não faz sentido você ter que lidar com burocracias que não acrescentam nada ao negócio. Você só perde tempo e recursos — lamenta.</p><h2>Aproximando-se dos grandes players</h2><p>Os especialistas também responderam à dúvida comum de muitos empreendedores: como se conectar com as grandes empresas do ramo? Cada um deles teve insights diferentes, indicando para uma direção que pode facilitar esse contato e aumentar as vendas.</p><p>Para Rodrigo Ventura, o principal ponto é ter profissionalismo, saber que não está mais negociando com “o primo” ou com pequenas empresas — questão que implica em mudanças que vão do e-mail à roupa. Além disso, o Founder da Escola do Financeiro também alertou que o empreendedor deve diminuir a percepção de riscos, já que as grandes empresas têm medo de comprar e ver seu fornecedor quebrar um ano depois.</p><p>Tomás Ferrari enfatizou sobre a possibilidade de usar os clientes como âncora, prospectando empresas médias e criando cases para apresentar aos grandes. Assim, a percepção de riscos pode diminuir e o empreendedor pode criar contato mais rapidamente com as empresas maiores para buscar insights e conseguir vender para esse nicho de mercado.</p><p>Já Aloisio Pereira usou sua experiência com a Infravias durante este ano para sugerir que os empresários estejam nos mesmos ambientes que as grandes empresas para iniciar um relacionamento. A ideia é criar um contato face to face para que os representantes desse mercado recebam um cartão e saibam com quem estão lidando — no caso, que você não é apenas uma resposta automática ou uma máquina.</p> “É preciso saber o momento de entrar e quando ainda não é o de sair. Criar o foco, entender o negócio e não desistir. São pontos chaves para todas as startups e para a vida também”, Aloisio Pereira, CEO da Infravias Foto: Emerson Souza / Diário Catarinense “Busque um sócio e corra atrás. Fale primeiro com o mais importante: o cliente. Sinta a dor que ele sente antes de fazer seu produto”, Rodrigo Ventura, Founder da Escola do Financeiro Foto: Emerson Souza / Diário Catarinense “Se você pretende olhar para um novo negócio e começar a empreender, tenha certeza que você está resolvendo uma dor real do mercado e das pessoas”, Tomás Ferrari, Founder da Geekhunter Foto: Emerson Souza / Diário Catarinense <h2>Encerramento da quarta edição do projeto</h2><p>Os dois webinars <strong>realizados nesta semana</strong> marcaram o encerramento do ciclo de atividades do projeto Gestão de Valor em 2018. A quarta edição do projeto teve como lema Inspirações que vão além  e teve como objetivo valorizar o empreendedorismo presente no DNA de Santa Catarina. </p><p>O destaque da edição 2018 foi a ação inovadora de criar um concurso estadual para divulgar o trabalho realizado por empresas catarinenses. A disputa foi vencida pela Sizebay, startup de Joinville criada em 2013 e que busca desenvolver soluções para e-commerce. Uma das principais ferramentas da empresa é o Provador Virtual, que auxilia o consumidor a comprar produtos de vestuário em sites especializados.</p><p>O sucesso do case foi apresentado por Janderson Araujo, fundador e CEO da empresa, durante painel do Gestão de Valor no dia 31 de outubro. O encontro reuniu os principais nomes do setor de tecnologia de Florianópolis e lotou o auditório do Sebrae. A noite ainda teve como painelistas Guilherme Maba, IT Manager, e Julian Farrapeira, Senior People Business Partner, ambos do Mercado Livre.</p><p>Iniciativa da NSC Comunicação, o Gestão de Valor teve patrocínio de Sebrae, Sistema Fecomércio e apoio do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Santa Catarina (Crea-SC).</p><p><strong>Leia Mais:</strong></p><p> <strong>Especialistas debatem as causas do baixo número de mulheres nas empresas de tecnologia</strong> </p><p> <strong>Conheça a startup vencedora do concurso estadual de inovação do Gestão de Valor</strong> </p><p> <ins><strong>Tecnologia desenvolvida por empresa catarinense auxilia agroindústria internacional</strong></ins>  </p><!– contentFrom:cms –>
Fonte: Diário Catarinense