<p>Um negociador norte-americano pediu nesta quinta-feira que a Coreia do Norte forneça uma descrição detalhada de suas armas para selar um acordo de paz e disse que o presidente Donald Trump está pronto para oferecer um futuro que inclua relações diplomáticas e ajuda econômica.</p><p>Trump, que deve realizar uma segunda cúpula com o líder norte-coreano Kim Jong Un em cerca de um mês, disse que anunciará a data e o local exatos no início da próxima semana.</p><p>”Acho que a maioria de vocês sabe onde será realizada, não acho que seja um grande segredo”, acrescentou o presidente, que disse que Washington fez “grandes avanços” com Pyongyang.</p><p>O Vietnã se ofereceu para sediar as negociações.</p><p>Trump e Kim fizeram uma primeira cúpula histórica em Singapura em junho passado para tentar persuadir o norte-coreano a abrir mão do armamento nuclear do país.</p><p>Enquanto os céticos acreditam que Trump está muito ansioso para chegar a um acordo para construir um legado e desfrutar da atenção de encontrar o líder isolado novamente, o representante especial dos EUA para a Coreia do Norte, Stephen Biegun, disse que a administração está preparada para contingências se as conversas falharem.</p><p>Na terça-feira, o diretor de inteligência nacional dos EUA, Dan Coats, disse na terça-feira que a Coreia do Norte vai resistir à pressão porque seus líderes consideram as armas nucleares como “chaves para a sobrevivência do regime”, uma análise contrária à posição de Trump de que há uma “chance significativa” de que o Norte entregue seu arsenal nuclear.</p><p>Biegun, entretanto, vislumbra um futuro otimista.</p><p>”Eu imagino aquele momento perfeito em que a Coréia do Norte elimina sua última arma nuclear, as sanções são suspensas, a bandeira sobe na embaixada e o tratado é assinado, tudo de uma vez”, disse ele na Universidade de Stanford.</p><p>”Esse é um ideal, eu sei, e essas coisas vão se mover de forma intermitente através de caminhos diferentes, mas elas também podem se reforçar mutuamente”, acrescentou.</p><p>Preparando a cúpula, o Departamento de Estado disse que Biegun irá para a Coréia do Sul no domingo e também se reunirá com seu colega norte-coreano.</p><p>- Monitoramento -</p><p>Biegun disse que os Estados Unidos solicitarão negociações com a Coreia do Norte para verificar se está renunciando às suas armas nucleares.</p><p>”Antes do processo de desnuclearização ser finalizado, devemos ter uma compreensão completa da extensão total dos programas de armas de destruição em massa da Coreia do Norte por meio de uma declaração abrangente”, disse ele.</p><p>”Precisamos chegar a um acordo sobre o acesso de especialistas e mecanismos de monitoramento de locais-chave nos padrões internacionais e, em última análise, garantir a eliminação ou destruição de reservas de material físsil, mísseis, lançadores e outras armas de destruição em massa, acrescentou.</p><p>Biegun também disse que Kim se comprometeu, tanto na cúpula quanto nas negociações de acompanhamento com o secretário de Estado Mike Pompeo, para o “desmantelamento e destruição” de todos os locais de plutônio e urânio.</p><p>Observadores acreditam que Pyongyang está mais interessada em aliviar as sanções internacionais, que foram ajustadas em 2017 depois que os testes nucleares e de mísseis do regime suscitaram temores de uma nova guerra.</p><p>- Os EUA acompanharão a Coreia do Sul -</p><p>Biegun assegurou à Coreia do Norte que Trump, que em 2017 ameaçou “destruir totalmente” o país, quer acabar com o estado de guerra.</p><p>”Não vamos invadir a Coreia do Norte, não estamos tentando derrubar o regime”, disse ele.</p><p>Ele também disse que os EUA não pretendem remover seus 28.500 soldados da Coreia do Sul.</p><p>”Não estamos envolvidos em nenhuma discussão diplomática que sugira tal compensação. Isso nunca foi debatido”, disse ele.</p><p> * AFP </p><!– contentFrom:cms –>
Fonte: Diário Catarinense