Argentina e Uruguai sofrem apagão maciço

<p>A Argentina e o Uruguai são afetados por um grande apagão desde a manhã deste domingo (16), informaram autoridades e as empresas de distribuição de energia dos dois países.</p><p>”Às 07h07 o sistema argentino de interconexão (SADI) sofreu uma parada total que se traduziu num apagão maciço em todo o país e que também afetou o Uruguai”, afirmou o secretário para a Energia da Argentina em um comunicado citado pela imprensa local.</p><p>”As causas estão sendo analisadas”, acrescentou, apontando que o fornecimento de energia já começou a ser restabelecido em algumas regiões e que “o restabelecimento total pode levar várias horas”.</p><p>Em Buenos Aires, as ruas estavam vazias, mesmo que alguns supermercados e lojas funcionavam graças a geradores.</p><p>No Uruguai, apenas alguns semáforos funcionavam em Montevidéu, onde a iluminação pública estava totalmente apagada.</p><p>Mais cedo, as companhias elétricas da Argentina e do Uruguai informaram o problema nas redes sociais.</p><p>”Um problema maciço no sistema de interconexão elétrica priva toda a Argentina e o Uruguai de energia”, anunciou a Edesur Argentina.</p><p>”Devido a uma falha geral do sistema de interconexão, a Argentina e os países limítrofes estão sem eletricidade”, escreveu pouco depois a Edenor na mesma rede social.</p><p>A uruguaia UTE tuitou que às “07H06 um mau funcionamento da rede argentina afetou o sistema interligado, privando de serviço todo o território nacional, e várias províncias do país vizinho”.</p><p>Um pouco mais de uma hora após o início do apagão, a UTE informou que “em várias cidades costeira o serviço de energia já foi restabelecido e os esforços continuam para restabelecer todo o serviço”.</p><p>A Argentina, que possui 44 milhões de habitantes, e o Uruguai – 3,4 milhões – compartilham um sistema interconectado de energia elétrica centralizado na barragem binacional de Salto Grande, localizada 450 km ao norte de Buenos Aires e 500 km ao norte de Montevidéu.</p><p> * AFP </p><!– contentFrom:cms –>
Fonte: Diário Catarinense.