Especial————- INCENTIVOS FISCAIS parte 1

O que este assunto tem a ver com você?

 

Para explicar o que são os benefícios fiscais e como eles interferem na vida do cidadão catarinense, a Agência AL, da Assembleia Legislativa de Santa Catarina, produziu uma série de matérias especiais sobre o assunto, que será recorrente na Assembleia em 2019. Para isso, ouviu especialistas e entidades ligadas ao setor produtivo a respeito do tema que tanto preocupa quem gera renda e emprego no Estado.

Como resultado da cada vez maior aproximação institucional do Poder Legislativo com as entidades que representam parte da comunicação regional o estado – Associação de Diários do Interior (ADI-SC) e Associação de Jornais do Interior (Adjori-SC) –, o conteúdo especial está sendo publicado em primeira mão, em uma série de três dias, pelos veículos associados, jornais impressos e digitais que são referências em suas regiões. É o Legislativo valorizando todas as regiões, todos os municípios, todos os catarinenses.

 

Um resumo

O tema benefícios/incentivos fiscais chegou com força à Alesc logo no início dos trabalhos parlamentares, em fevereiro deste ano. A edição de decretos pelo Poder Executivo nos últimos dias de 2018, com a retirada de benefícios que resultariam na elevação da alíquota do ICMS de diversos produtos, mobilizou os deputados, preocupados com as consequências do aumento da carga tributária na competitividade dos produtos catarinenses, ameaçando emprego e renda.

Diante das negativas do governo em revogar os decretos, sugerindo, inclusive, que existiriam benefícios “de gaveta”, conforme afirmou o secretário da Fazenda, Paulo Eli, o Parlamento estadual agiu e foi decisivo para o desfecho da situação: num acordo entre os líderes das bancadas partidárias e dos blocos com representação na Casa, conduzido pelo presidente do Legislativo, deputado Julio Garcia (PSD), propôs e aprovou um projeto de lei que prorrogou o início da vigência dos decretos, previsto inicialmente para abril, para agosto.

A medida, já sancionada pelo Executivo, ao mesmo tempo em que agradou o setor produtivo, deu tempo ao governo para apresentar, na forma de projetos de lei, a revisão de todos os benefícios concedidos, conforme determinação do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), válida para os demais estados e o Distrito Federal.

As armas de uma guerra por investimentos

Santa Catarina está há vários anos em guerra contra outros estados e, mais recentemente, contra países como o Paraguai. O conflito ocorre dentro dos gabinetes, sem o conhecimento da maioria da população. Objetivo: atrair investimentos. É a chamada Guerra Fiscal, que tem como principal arma o benefício ou incentivo fiscal. Trata-se da concessão, por parte do governo estadual, de condição especial no recolhimento de tributos para um determinado produto ou setor da economia.

Na prática, o contribuinte beneficiado, seja ele da indústria, comércio ou serviços, paga menos imposto. No caso dos estados, o principal é o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Só em Santa Catarina, ele responde por 80% da arrecadação própria do Estado.

O benefício fiscal geralmente é concedido na forma da redução da alíquota do ICMS a ser pago, como crédito presumido ou mesmo com a isenção total no imposto (quadro ao lado). Com uma carga tributária menor, essa redução poder ser repassada para o consumidor final (com produtos mais baratos) ou mantida para aumentar (ou manter) a margem de lucro.

O objetivo dessa condição especial é auxiliar setores produtivos em dificuldade, em decorrência de problemas pontuais ou mesmo de uma crise econômica. Mas os benefícios fiscais se tornaram importantes mesmo em períodos de expansão da economia, como uma estratégia para trazer investimentos para o estado ou mesmos mantê-los por aqui, quando são assediados por outras unidades da federação ou países da região.

 

“O benefício fiscal é uma arma indispensável”, afirma o auditor fiscal da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz-SC) José Antônio Farenzena (foto), que em maio assumirá a presidência do Sindicato dos Fiscais da Fazenda estadual (Sindifisco). “Se Santa Catarina não tiver mecanismos de defesa, perde suas indústrias para outros estados e até mesmo para outros países.”

 

Critérios

Farenzena explicou que todos os benefícios são concedidos com base em estudos elaborados pela área técnica da Sefaz-SC. Na maioria dos casos, são definidas as contrapartidas que o setor beneficiado tem que oferecer ao Estado. “Quase sempre há previsão [de contrapartida]. É feito um estudo caso a caso. Portos, por exemplo: o beneficiado é obrigado a trazer a carga para Santa Catarina. Neste caso, a contrapartida é o desenvolvimento do local onde o porto está instalado”, comenta.

O dirigente do Sindifisco afirma que os benefícios concedidos por Santa Catarina para importação foram importantes na atração de investimentos para as regiões portuárias do estado. “Santa Catarina não é o principal mercado consumidor do país, mas muitas importações entram por nossos portos e daqui vão para o restante do país.”

Conforme a Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc), a política de benefícios propiciou um aumento de mais de 370% nas importações catarinenses, que saltaram de 3,4 bilhões de dólares em 2006 para 16 bilhões de dólares em 2014.

Há casos em que não há a necessidade de uma contrapartida específica para a concessão do incentivo fiscal. “Alho, suínos, madeira, por exemplo, a manutenção dos empregos, dos produtores, é a contrapartida”, exemplifica Farenzena.

 

 

“A possibilidade da concessão de incentivos fiscais por parte dos estados cria para eles um diferencial muito importante em relação à captação de investimentos internos e externos. Devido a isso, essa prática se torna muito importante em caso de uma guerra fiscal” – João Eloi Olenike, presidente Executivo do Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT)

“Toda uma região acaba se fortalecendo. O ICMS mais baixo vai permitir que muitas pessoas fiquem empregadas. O ICMS está vinculado ao consumo das pessoas. Quando essas pessoas consomem, o ICMS está sendo arrecadado.” –  Vanessa Guesser Alves de Ramos, contadora especialista em análise tributária

“Quando uma indústria vem para Santa Catarina, ela vai construir uma planta, vai movimentar a loja de materiais de construção, vai contratar. Isso gera para o cidadão comum renda, emprego.” – José Antônio Farenzena, próximo presidente do Sindifisco-SC

Principais tipos de incentivo fiscal concedidos por SC

 

Praticamente todos estão relacionados ao ICMS, que corresponde a 80% da arrecadação do Estado.

 

 Leia amanhã a segunda parte da Reportagem Especial Incentivos Fiscais. As matérias também serão publicadas em www.scportais.com.br

 

Reportagem: Marcelo Espinoza

Edição: Nikolas Stefanovich e Lúcia Helena Vieira

Nova edição e diagramação: Andréa Leonora (ADI-SC)

Revisão: Rubens Vargas | Infográfico: Vinicius Adriano

IBPT_Joao_Olenik

José Antonio Farenzena

Vanessa Alves de Ramos

Clique no link acima e receba gratuitamente notícias do JBFOCO regional. Nesse grupo não existe interação. Somente recebimento de matérias jornalísticas de Biguaçu, Antônio carlos, Governador Celso Ramos e região.

 

 

The post Especial————- INCENTIVOS FISCAIS parte 1 appeared first on Jornal Biguaçu em Foco.

Fonte: jbfoco