Mulheres na aviação será tema de workshop no Rio de Janeiro

Durante décadas, o setor da aviação foi um segmento exclusivamente ocupado por homens, oferecendo pouca, ou nenhuma, oportunidade para as mulheres, que eram vistas apenas em funções administrativas e de atendimento.

Com o passar do tempo, a participação feminina cresceu em diversas áreas econômicas. Mas apesar das mulheres terem alcançado espaço na aviação, no Brasil elas ocupam apenas 27 dos assentos de comandantes de linhas aéreas (de um total de 5.119) e 99 de piloto comercial (de 5.720). Segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), as mulheres representam apenas 0,8% de todas as licenças válidas atualmente em comparação com os homens.

Para debater este tema e evidenciar a importância de mudanças no cenário, o IBAS – International Brazil Air Show, realizará no Brasil um workshop inteiramente dedicado ao assunto. O Women In Aviation acontecerá dia 29 de março, no Rio de Janeiro, e trará painéis dedicados a discussões para estimular a participação de mulheres no setor, as oportunidades e possibilidades de contribuir.

O principal apoiador é a Women in Aviation International (WAI), uma organização sem fins lucrativos que visa auxiliar e preparar mulheres para entrar na indústria da aviação, além de promover conhecimento público sobre as realizações e contribuições das mulheres na aviação.

“A WAI tem o orgulho de oferecer apoio institucional a esse primeiro evento internacional para reunir os setores aeroespacial e aeroportuário do Brasil. Esperamos que nossos programas de networking e tutoria inspirem mais mulheres a perseguir seus sonhos de ter uma carreira na aviação” afirma Peggy Chabrian, presidente da WAI.

A organização oferece parcerias, bolsas de estudo, notícias especializadas e convenções anuais para seus membros, além de possuir diversos capítulos espalhados pelo mundo para dar apoio às suas participantes.

“Nós felicitamos a criação do capítulo WAI Brasil, nosso primeiro capítulo na América do Sul. Com sede no Rio, o capítulo oferecerá inúmeras oportunidades para que as mulheres locais da aviação de todas as idades se conectem e se relacionem entre si e façam parte do nosso maior grupo internacional de 14.500 pessoas”, completa Peggy Chabrian.

Ativismo

Como primeira Secretária-Geral da International Civil Aviation Organization (ICAO), Fang Liu reforça a importância deste momento. “A igualdade de gênero é um objetivo que é importante para mim pessoalmente, e ressalto que isso é algo que as Nações Unidas estão buscando em todo o seu sistema e em todo o mundo. Isto foi formalizado no âmbito do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 5, como parte dos nossos esforços da Agenda 2030 da ONU”, observa.

A copiloto Patricia Ramanauskas da Azul Linhas Aéreas que começou sua carreira aos 16 anos, sabe o quão difícil ainda é galgar posições tidas como tipicamente masculinas. “Antigamente o preconceito era bem maior, mas ele ainda continua latente. Já vivi episódios que minha competência foi colocada em cheque por ser mulher e por ser relativamente nova”, conta. “Mas vejo com bons olhos o futuro das mulheres na aviação, aos poucos temos conquistado espaço e respeito”, completa.

Histórias como a de Patricia Ramanauskas evidenciam a urgência de ações de conscientização. Para Fang Liu, “estratégias e ações concretas precisam ser tomadas por governos, organizações internacionais, bem como reguladores e operadores de companhias aéreas e aeroportuárias”.

Mais informações:

International Brazil Air Show (IBAS), de 29 de março a 2 de abril de 2017

Local: Aeroporto Internacional Tom Jobim / Rio de Janeiro

www.internationalbrazilairshow.com.br

Fonte: diariodonordeste