Milton nega provocação a Rodrigo: "Respondi depois do 2º empurrão"

Milton nega provocação a Rodrigo: "Respondi depois do 2º empurrão"

GERAL -   



O técnico Milton Mendes, do Vasco, deu a sua versão sobre a confusão com Rodrigo, após o empate com a Ponte Preta, domingo, no Moisés Lucarelli. Em entrevista ao "Bem, Amigos!", o treinador disse que não tinha como objetivo provocar o defensor e apenas foi em sua direção para buscar Paulo Vitor e Jean. De acordo com o treinador, a delegação cruz-maltina faria uma oração ainda no estádio antes de embarcar para o Rio de Janeiro. Ele voltou a afirmar que não teve problemas com o jogador da equipe de Campinas durante o período em que os dois trabalharam juntos em São Januário e afirmou que a decisão pela saída do zagueiro foi dirigentes vascaínos, como foi divulgado em nota no site oficial do clube.

- É uma situação chata e deprimente. Realmente, vocês viram o que aconteceu, mas está havendo uma inversão de valores. O Caio perguntou o que eu fui fazer lá. Eu fui buscar meus jogadores para a reza final, que a gente faz, e tinha o voo logo em seguida para o Rio de Janeiro. Esse jogador tinha sido meu jogador no Vasco. A nota diz como ele saiu. Se eu fosse buscar algum tipo de problema com o jogador, eu não teria a reação que eu tive, completamente passiva. Eu sou um agente de paz, tenho que dar exemplo para as pessoas. Os comentários têm que ter algum cuidado. Vocês estão vendo uma imagem e estão colocando a possibilidade de eu estar errado por eu ter ido falado com os meus jogadores e ir até cumprimentá-lo. Nunca tive problema com o Rodrigo. Simplesmente, ele deixou de ser opção do Vasco e foi demitido. Tem demonstrado com os seus atos o que ele é realmente, o que ele tem construído ao longo da carreira. Estamos com nossos valores invertidos.

Rodrigo empurra Milton Mendes (Foto: reprodução/vídeo) Rodrigo empurra Milton Mendes após o empate entre Vasco e Ponte Preta (Foto: reprodução/vídeo)


Milton Mendes lembrou que Rodrigo é capitão da Ponte Preta e está lá para servir como exemplo. O treinador disse que só se manifestou após o segundo empurrão, já que ficou sem reação após a atitude do jogador.

- Um homem que enverga a braçadeira de capitão de uma equipe grande, como é a Ponte Preta, e tem esse tipo de atitude. Depois diz que é brincadeira, depois volta atrás. A nota do clube foi dada, foi esclarecida exatamente como foi a saída dele. Tudo está claro. Os trâmites normais seguirão, e é a última vez que eu vou falar sobre isso (...). Eu simplesmente coloque a mão em um jogador meu e abracei ele em tom amigável. Se fosse a minha intenção buscar algum tipo de conflito, você acha que eu abordaria dessa forma? Eu respondi depois do segundo empurrão. No primeiro eu fiquei tão perplexo como os jogadores que estavam ao lado. Ninguém entendeu nada (...). Nós não podemos imaginar que vamos entrar em um capo de futebol para cumprimentar um adversário, e o jogador vai nos agredir por ter sido dispensado. Para entrar no campo precisa entrar com segurança com medo de ser agredido.

Pelos empurrões no treinador do Vasco , Rodrigo será denunciado, segundo o Procurador geral do STJD, Felipe Bevilacqua, correndo o risco de pegar um gancho pesado. A tendência é que a denúncia seja formalizada até terça-feira. Além das imagens da televisão e também do relato do árbitro Sandro Meira Ricci na súmula, um exame de corpo e delito de Milton Mendes, que constatou uma lesão no pé, pode ser usado no processo, desde que o documento chegue ao conhecimento da Procuradoria.