Alvaro Dias diz que intervenção de militares não resolve violência

Alvaro Dias diz que intervenção de militares não resolve violência

GERAL -   

  • Carine Wallauer/UOL

Pré-candidato do Podemos à Presidência da República, o senador Alvaro Dias (PR) afirmou nesta segunda-feira (7) que uma intervenção como a decretada pelo governo federal na segurança pública Rio de Janeiro não resolve o problema de violência no Brasil.

"O Exército não quer isso, não é esse o papel dele", comentou, referindo-se à falta do poder de polícia dos militares.

Dias participou de sabatina promovida pelo UOL , pelo jornal Folha de S.Paulo e pelo SBT.

Leia mais:

  • Alvaro Dias diz estar com bolso "um pouco vazio" para campanha presidencial
  • Senador diz que tentará acabar com reeleição: "não deu certo"
  • Dias defende reforma da Previdência e quer "ajustes" em proposta do governo Temer

O pré-candidato defendeu ainda que integrantes das Forças Armadas e das Polícia Militares do país devem ser julgados pela Justiça Militar, e não pela comum, para que suas prerrogativas sejam preservadas e eles possam defender a população.

Segundo o senador, os agentes de segurança são "acossados por aqueles que querem puni-lo se ele é obrigado, eventualmente, a agir com violência". O presidenciável também defendeu o direito da população brasileira ao porte de arma , apesar de admitir que isso não levaria à diminuição da violência no país.

Ele atribuiu sua posição ao resultado do referendo de 2005 sobre o desarmamento, no qual a maioria da população votou favorável ao comércio de armas.
"Sou favorável ao cumprimento do desejo da sociedade, que é a possibilidade de ter o porte de arma", afirmou, justificando que o cidadão tem direito à legítima defesa num momento em que o Estado não apresenta condições de defendê-lo.

"Agora é evidente que o Estado tem que se armar", acrescentou o senador, que classificou o atual cenário de insegurança no país como "consequência da incompetência do governo e da corrupção".

Confrontado sobre defender bandeiras similares às do pré-candidato do PSL, Jair Bolsonaro, e questionado sobre o que acha do futuro concorrente na disputa eleitoral, Dias evitou falar sobre o deputado federal.

"Eu tenho e guardo para mim, até por uma questão de respeito, porque eu não atiro pelas costas, e de inteligência, porque se eu tivesse que elogiar, seria cabo eleitoral", comentou.

Na sabatina, Dias foi entrevistado pelos jornalistas Diogo Pinheiro, chefe de reportagem do UOL , Fernando Canzian, repórter da Folha, e Carlos Nascimento, âncora do SBT. 

Carine Wallauer/UOL
O senador Alvaro Dias (Podemos-PR), pré-candidato à Presidência da República, é sabatinado por jornalistas do UOL, Folha de S. Paulo e SBT

Sabatinas com pré-candidatos à Presidência começam nesta segunda

Esta é a terceira eleição consecutiva em que o UOL, maior empresa brasileira de conteúdo, serviços e produtos da internet, a Folha de S.Paulo, maior jornal no país, e o SBT, emissora com a segunda maior audiência da TV aberta brasileira, repetem a parceria para promover debates e sabatinas com os candidatos à Presidência da República.

As regras de participação nas sabatinas e debates foram definidas em reunião na sede do SBT no dia 22 de março, com representantes de 18 dos 35 partidos registrados no TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Foram convidados os seis candidatos à Presidência mais bem colocados na pesquisa Datafolha divulgada em 16 de abril. Com a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que lidera a pesquisa, Alvaro Dias, o sétimo colocado no levantamento, foi convidado.

No próximo dia 11 de maio , acontece a sabatina com a pré-candidata Marina Silva (Rede).

No dia 21 de maio , será a vez de Ciro Gomes (PDT).

Geraldo Alckmin (PSDB) e Jair Bolsonaro (PSL) ainda não confirmaram a data de participação. Joaquim Barbosa (PSB) ainda não confirmou a pré-candidatura.

SABATINAS COM CANDIDATOS AO GOVERNO DE SP

Depois dos presidenciáveis, UOL, Folha e SBT farão sabatinas com quatro pré-candidatos ao governo de São Paulo, nas seguintes datas:

28 de maio : Luiz Marinho (PT)

30 de maio : Márcio França (PSB)

6 de junho : João Doria (PSDB)

8 de junho : Paulo Skaf (MDB)

DEBATES

O debate de primeiro turno entre os políticos que disputarão a eleição está previsto para o dia 26 de setembro. Em um eventual segundo turno, o debate será realizado no dia 17 de outubro. Os dois eventos terão duração de uma hora e vinte e cinco minutos (das 18h20 às 19h45) e serão realizados no estúdio do SBT.

A transmissão ao vivo será feita em TV aberta, nos sites do UOL e da Folha e também em perfis dos três veículos em redes sociais. Jornalistas dos três veículos também participarão fazendo perguntas.

"Para a Folha, a participação dos jornalistas é fundamental", disse Roberto Dias, secretário de Redação da "Folha de S.Paulo".

Primeiro debate online do Brasil

Em 2010, Folha e UOL realizaram o primeiro debate da internet brasileira com candidatos à Presidência da República. Em 2012, em parceria com o SBT, o UOL realizou um debate com os candidatos à Prefeitura de São Paulo .

Em 2014, também na disputa presidencial, o debate foi feito em parceria entre UOL, Folha, SBT e a rádio Jovem Pan . Nas últimas eleições municipais, em 2016, UOL , Folha e SBT também promoveram debates com candidatos à Prefeitura de São Paulo .