Corte no orçamento para a pós-graduação pode comprometer pesquisa brasileira

Corte no orçamento para a pós-graduação pode comprometer pesquisa brasileira

GERAL -   

Cleia Viana/Câmara dos Deputados
Audiência pública sobre o corte das bolsas de pós-graduação e suspensão de programas de educação básica, de Universidades Aberta e de cooperação internacional. Presidente da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação - ANPED, ANDRÉA BARBOSA GOUVÊA
Andréa Gouveia: corte fere de morte programas de pós-graduação

Uma audiência pública na Comissão de Educação da Câmara dos Deputados, realizada nesta terça-feira (4), debateu o corte de recursos para a pós-graduação no país. A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), principal agência de financiamento de bolsas de pesquisa, vem perdendo recursos nos últimos anos. Em 2015, a Capes tinha orçamento de R$ 9,5 bilhões, mas recebeu no ano passado menos de R$ 5 bilhões. E o orçamento deste e do próximo ano estão congelados no mesmo valor.

A presidente da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Educação, Andréa Gouveia, disse que o corte compromete a qualidade da pesquisa brasileira.

“Isso fere de morte a possibilidade da manutenção da qualidade dos programas de pós-graduação. As bolsas são efetivamente bolsas de mestrandos e doutorandos. A qualidade da pesquisa exige dedicação - muitas vezes dedicação de tempo integral - e a impossibilidade de você ampliar o valor das bolsas unitárias, mas também o contingente de sujeitos que podem ter bolsas, isso compromete a qualidade o desenvolvimento da pesquisa”, disse.

Já a presidente da Associação Nacional dos Pós-graduandos, Flávia Calé, falou da fuga de cérebros do país.

“A consequência disso é você ter pós-graduandos desestimulados, a desistência da procura pela carreira científica, é você ter o aumento da depressão na pós-graduação, é você ter a fuga de cérebros, os graduandos pesquisadores pós-doc saindo do país para conseguir ter uma carreira científica. Então isso tudo é muito triste, porque você está vendo o futuro do Brasil sendo desperdiçado”, observou.

Cleia Viana/Câmara dos Deputados
Audiência pública sobre o corte das bolsas de pós-graduação e suspensão de programas de educação básica, de Universidades Aberta e de cooperação internacional. Diretor de Gestão da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES, ANDERSON LOZZI
Anderson Lozzi: Capes tem condições de honrar os compromissos para 2019

O representante da Capes, Anderson Lozzi, defendeu o governo, dizendo que, na proposta orçamentária para o próximo ano, os recursos das bolsas foram mantidos. "Sendo aprovada a proposta orçamentária, eu posso garantir que a Capes tem condições de honrar todos os compromissos para 2019, inexistindo qualquer possibilidade de interrupção de bolsas ou de programas", disse. 

Congelamento
Mas, para os debatedores, o simples congelamento de recursos representa uma corte. E, segundo o deputado Zeca Dirceu (PT-PR), as consequências podem ser graves para o país. “Desestrutura dentro das universidades uma série de estudos de pesquisas, de trabalho de extensão, que não estão conclusos, ainda estão em andamento”, disse.

Além de aumento no número de bolsas ofertadas, os pesquisadores defendem uma política de reajuste no valor pago aos estudantes, que está congelado desde 2013.

Ouça esta matéria na Rádio Câmara