Bruna Fantti e Gustavo Ribeiro

– Aluno de Psicologia na Paraíba participava de encontro na instituição de Niterói, que fala em causa natural. Colegas dizem ele consumiu LSD líquido e pode ser overdose –

Rio – A Polícia Civil investiga a morte do estudante Sady Matheus Dantas, 21 anos, ocorrida sábado, no campus principal da Universidade Federal Fluminense (UFF), em Niterói. O laudo da morte ficará pronto em 30 dias. De acordo com a universidade, aparentemente a causa da morte foi natural. Estudantes, no entanto, relatam que Dantas teria consumido drogas na festa do Encontro Nacional de Estudantes de Ciências Sociais (Enecs).

O jovem era aluno de Psicologia da Universidade Federal de Campina Grande, na Paraíba, e participava do encontro que reuniu cerca de 500 alunos, de 19 estados, entre 27 de agosto e 4 de setembro no campus do Gragoatá. Quem chegava ao encontro recebia um manual. Nele, além de dicas de segurança e localização, um item abordava de forma dúbia o consumo de drogas. ‘Ter overdose não é legal! Vamos entregar a todos uma cartilha de redução de danos com dicas facilitadoras de doideiras. Quem é ligeiro já se ligou!’.

“Havia drogas, como ácido e cocaína. Ele consumiu gota (LSD líquido) e passou mal”, disse uma estudante da Paraíba. Domingo, garrafas e latas de bebidas alcoólicas continuavam espalhadas no pátio, assim como roupas e rolos de papel higiênico. Estudantes relataram que a notícia da morte se espalhou entre 15h e 16h de sábado.

“Não sabemos com quem esse rapaz veio. Quando surgiu a informação de que tinha falecido, era realizada a última plenária. Depois, chegaram ambulância, polícia e bombeiros. O corpo foi removido à noite”, contou um aluno.

Outras duas participantes confirmaram o uso de drogas. “Colegas acham que foi overdose”, disse uma delas. Funcionários do campus ressaltaram que o uso de entorpecentes na universidade é comum, principalmente nas festas realizadas geralmente às quintas-feiras. “Desde que as chopadas foram liberadas pela instituição, o controle ficou menor. A gente não pode fazer nada”, denunciou um vigilante.

A UFCG emitiu nota de pesar. “O Centro Acadêmico de Psicologia vem manifestar o mais profundo pesar pelo falecimento (…) presta condolências aos familiares e amigos”. O enterro será hoje, na Paraíba.

O superintendente de Comunicação Social da UFF, Afonso de Albuquerque, afirmou que colegas de Sady informaram o ocorrido à equipe de segurança às 19h10. Segundo ele, o Samu foi acionado e chegou em 30 minutos, examinou o aluno e constatou a morte.

“Não existe evidência de que a morte esteja ligada a violência ou outro fator externo. A informação que temos é que o óbito decorreu de causas naturais”, disse.

Ele esclareceu que o evento foi organizado pela Articulação Nacional de Estudantes de Ciências Sociais, não pertencente à UFF, e que a universidade não permite o uso de droga em suas dependências. “Mas temos campus com milhares de metros quadrados e não há como controlar (…) É uma pessoa que tem familiares que estão sofrendo. Sem comprovação médica (do consumo de entorpecentes), é imprudente e cruel que se produza juízo de uma pessoa a partir de boatos”, afirmou. Os organizadores foram procurados, mas não se pronunciaram.

Com o estagiário Caio Sartori

Fonte: O Dia