O Dia

– Carta publicada ontem expõe divergências e críticas a líder –

Rio – A péssima performance nas urnas da Rede de Alessandro Molon levou a baixas no partido. Molon obteve pífios 1,43% dos votos válidos e não conseguiu eleger ninguém para uma das 51 vagas da Câmara dos Vereadores. Hoje o partido tem dois vereadores.

Diante do naufrágio da candidatura de Molon, estrelas do partido decidiram abandonar o barco e anunciaram ontem, em carta, sua saída. Assinada por Luiz Eduardo Soares e mais seis militantes da Rede, o texto alega que a sigla tem se estruturado sobre um vazio de posicionamentos políticos.

Entre os valores que norteavam a Rede inicialmente, segundo a carta, estavam o aprofundamento da democracia, o desenvolvimento sustentável e o protagonismo da sociedade civil e dos indivíduos. No entanto, a tão sonhada “nova política” de Marina Silva parece ter caído na mesmice.

“Por conta da reduzida definição política, a Rede tem se construído como uma legião de pessoas de boa vontade e nenhum rumo”, condena o texto. “Essa característica permitiu que muitos oportunistas e políticos de direita identificassem na Rede um espaço fértil para seus projetos particulares.” Com isto, o partido teria engendrado em si as tradições políticas que pretendia superar.

A carta também alfineta a própria Marina. “As decisões estratégicas que foram conformando o perfil da Rede partiram todas de Marina e apenas dela.” Foi o caso do impeachment de Dilma Rousseff.

Fonte: O Dia