<p>A polícia espanhola transfere nesta sexta-feira (1º) os nove líderes separatistas catalães presos para presídios perto de Madri, onde, nos próximos dias, deve começar o julgamento pela tentativa de secessão de 2017 – disseram as autoridades locais.</p><p>De madrugada, os presos, que estão em três prisões diferentes nesta região, foram transferidos para um centro penitenciário perto de Barcelona. A polícia catalã cedeu sua custódia para a Guarda Civil, encarregada de sua transferência para Madri.</p><p>Às 9h30 locais (6h30 no horário de Brasília), os nove presos começaram o traslado para a capital espanhola em um ônibus da Guarda Civil, escoltado por vários veículos policiais e por um helicóptero.</p><p>Do lado de fora da penitenciária e nas margens da estrada dezenas de militantes separatistas se reuniram, aos gritos de “liberdade”, na passagem do comboio.</p><p>Detidos preventivamente, em alguns casos há mais de um ano, os dirigentes catalães serão julgados no Tribunal Supremo espanhol por rebelião, malversação e desobediência por seu envolvimento na tentativa de secessão.</p><p>O governo regional promoveu um referendo ilegal de autodeterminação em 1º de outubro de 2017, cujos resultados não verificados serviram para os deputados separatistas do Parlamento catalão justificarem uma declaração unilateral de independência no dia 27 desse mesmo mês.</p><p>Para os 12 acusados – os nove presos e três em liberdade condicional, a Procuradoria pede entre sete e 25 anos de prisão.</p><p>O julgamento deveria começar em 5 de fevereiro, mas o anúncio ainda não foi feito oficialmente. Segundo fontes judiciais, o Supremo estuda atrasar seu início para 12 de fevereiro.</p><p> * AFP </p><!– contentFrom:cms –>
Fonte: Diário Catarinense