Trecho da BR-101 em SC é o que teve mais acidentes em 2017

Trecho da BR-101 em SC é o que teve mais acidentes em 2017
<p>O trecho da BR-101 em Santa Catarina é a estrada que registrou mais acidentes no Brasil em 2017. Foram 5.066 ocorrências, que resultaram em 4.314 feridos. Já em relação a mortes, a BR-101 em SC registrou o décimo maior número: 138. </p><p>Todas as rodovias federais que passam pelo Estado somaram 10.642 acidentes, abaixo apenas de Minas Gerais e do Paraná. A malha viária catarinense, no entanto, é a décima segunda em tamanho. Proporcionalmente, o Estado é o segundo com mais acidentes por quilômetro de estrada, atrás apenas de São Paulo. </p><p>Foram registradas 362.163 infrações nas rodovias que cortam <strong> Santa Catarina</strong> em 2017. Destacam-se:  174.006 por excesso de velocidade, 10.714 por ultrapassagens irregulares e  18.341 por falta de cinto de segurança.    </p><p>Os números estão no Anuário 2017 que a <strong>Polícia Rodoviária Federal (PRF)</strong> divulgou nesta quinta-feira (6), em Brasília, no mesmo evento em que foi lançada a Operação Integrada Rodovida 2018/2019 – que concentra esforços federais, estaduais e municipais para evitar acidentes de trânsito. A ação integrada nas estradas federais começa no próximo dia 14. </p><p>O anuário analisa as ocorrências nas rodovias federais no último ano e também traz levantamento do período de 2007 a 2017. O relatório traz dados de acidentes, mortes e atos infracionais totais e divididos por rodovia e trecho. O anuário pode ser acessado <strong>aqui</strong> .</p><p><strong>Leia também: </strong> <strong>Detran diz que não cumprirá prazo para adoção de placas no padrão Mercosul</strong> </p><h2>Planejamento nacional</h2><p>– Todos que viajarem por rodovias federais vão observar aumento no policiamento rodoviário – disse o diretor-geral da PRF, Renato Dias, em coletiva. </p><p>O planejamento vai priorizar o reforço da fiscalização nos pontos críticos das rodovias. A operação será dividida em dois períodos, abrangendo as festas de Natal e Ano Novo, férias escolares e Carnaval – feriados marcados pelo aumento no fluxo de veículos e de passageiros. O primeiro período irá de 14 de dezembro a 31 de janeiro. Já a segunda etapa ocorrerá entre 22 de fevereiro até 9 de março de 2019.</p><p>Ao longo do período, a PRF e os demais órgãos públicos vão intensificar a fiscalização para coibir, principalmente, ultrapassagens irregulares; excesso de velocidade; consumo de álcool; atropelamentos de pedestres e o trânsito irregular de motocicletas. Simultaneamente, os ministérios da Justiça, das Cidades, dos Transportes e da Saúde promoverão companhas publicitárias de conscientização em todo o Brasil.</p><p>De acordo com Dias, além de garantir segurança e conforto aos usuários das rodovias federais, a iniciativa visa a cumprir o compromisso que o Estado brasileiro assumiu com a Organização das Nações Unidas (ONU), se comprometendo a reduzir em 50% o número de mortos e feridos em acidentes de trânsito.</p><p><strong>Confira: </strong> <strong>PF cumpre mandados em SC em investigação contra fraudes no INSS</strong>  </p><p> <strong>MP denuncia policial e donos de autoescolas por facilitar teste para CNHs</strong> </p><h2>SUS gasta meio bilhão por ano com vítimas de acidentes</h2><p>Segundo o Ministério da Saúde, o percentual de redução de óbitos por acidentes, quando considerada a malha viária nacional, é de apenas 12,8%. A diretora do Departamento de Doenças e Agravos Não Transmissível e Promoção da Saúde, do Ministério da Saúde, Fátima Marinho, informou que cerca de 35 mil pessoas morreram ou ficaram gravemente debilitados em função de acidentes de trânsito registrados em 2014.</p><p>– Isso impacta as famílias, a sociedade e os investimentos públicos. Ao reduzir o número de acidentes graves e a mortalidade, estamos conseguindo não só salvar vidas e evitar que muita gente fique com uma deficiência para o resto da vida, mas também economizando milhões que podem ser investidos em outras áreas prioritárias – destaca a diretora. </p><p>Segundo Fátima, o Sistema Único de Saúde (SUS) gasta cerca de R$ 500 milhões ao ano só com a hospitalização de pessoas acidentadas no trânsito. </p><p>– Economizando com os tratamentos, podemos investir mais em prevenção e no tratamento de doenças para as quais o orçamento também é limitado.</p><p>A PRF calcula que os cofres públicos economizaram bilhões com a redução no número de acidentes sem vítimas. Enquanto em 2012 os sinistros acarretaram um custo total de R$ 12,9 bi para os cofres públicos (mesma quantia gasta em 2013), em 2017, foram gastos R$ 8,9 bilhões.</p><h2>Raul Jungmann destaca queda nos números</h2><p>O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, durante a cerimônia de lançamento da Operação Integrada Rodovida, destacou que as medidas que vem sendo adotadas desde 2011 ajudaram a salvar 6.435 vidas nos dois últimos anos – resultado obtido a partir do cálculo feito pela PRF caso a quantidade de acidentes tivesse mantido o crescimento verificado há sete anos.</p><p>– Embora os números ainda nos preocupem, estou certo de que a PRF e os órgãos que compartilham deste trabalho acelerarão nesta tendência de queda para que, ao fim de 2020, quando se encerra a Década do Trânsito Seguro, possamos dizer que reduzimos os acidentes – disse Jungmann.</p><p><strong>Leia mais: <br></strong> <strong>Santa Catarina é o segundo melhor Estado em prestação de serviços</strong> </p><p> <strong>8,5% dos catarinenses vivem abaixo da linha da pobreza, aponta IBGE</strong> </p><p> <strong>Número de mortes em confrontos com a polícia cresce 34% em SC</strong> </p><!– contentFrom:cms –>
Fonte: Diário Catarinense