Após mais de cinco anos do crime, acusado de atirar contra casal e matar homem no AC é condenado a mais de 29 anos


Crime ocorreu em abril de 2015 no bairro Santa Inês, em Rio Branco. Floripedes Paixão dos Santos, de 37 anos, morreu no local e a mulher dele levou um tiro na perna. Lucas de Freitas Murici foi condenado pelos crimes de homicídio e tentativa de homicídio. Lucas de Freitas Murici foi julgado na última segunda-feira (7) na 1ª Vara do Tribunal do Júri de Rio Branco
Divulgação/TJ-AC
Após mais de cinco anos do crime, o acusado Lucas de Freitas Murici foi condenado a mais de 29 anos pela morte de Florípedes Paixão dos Santos, de 37 anos, em abril de 2015. O réu foi julgado na última segunda-feira (7) na 1ª Vara do Tribunal do Júri de Rio Branco.
O crime ocorreu no bairro Santa Inês, em Rio Branco. Segundo a denúncia do Ministério Público, no dia 30 de abril de 2015, Florípedes dos Santos estava saindo de casa com sua companheira quando foi surpreendido pelo réu, que efetuou seis disparos de arma de fogo contra ele. A vítima não resistiu aos ferimentos e morreu no local.
O acusado também atirou contra a mulher de Santos, que ficou ferida com um tiro na perna, foi socorrida e levada para o pronto-socorro. Murici só fugiu do local depois que um outro homem, parente das vítimas, atirou em sua direção.
Ao G1, a advogada Mayra Villasante, que fez a defesa do réu, informou que vai recorrer da sentença para que seja realizado um novo júri.
Na época, a polícia informou que três homens encapuzados participaram do crime. Eles estavam escondidos em um matagal aguardando o casal.
“As testemunhas informaram na época que a vítima estava em cima de uma motocicleta e que essas pessoas saíram do matagal já atirando. A vítima conseguiu sair da moto, correu um pouco, mas caiu e levou seis tiros. O irmão da vítima estava na casa da frente e, quando viu as pessoas atirando, revidou com dois tiros. Um desses tiros acertou de raspão a cabeça de um dos criminosos, que foi justamente o Lucas”, informou o promotor que atuou no caso, Daisson Teles.
Preso ao procurar atendimento médico
Murici foi preso quando resolveu procurar a UPA do Segundo Distrito para buscar atendimento médico por conta do tiro que pegou. Foi quando policiais que estavam na unidade verificaram que ele tinha um mandado de prisão em aberto.
“Foi feito o exame no capuz que ele deixou cair no dia do crime e a perícia confirmou que o tiro que atingiu o Lucas coincidiu com o local do tiro que estava no capuz. Então, conseguimos fazer a ligação dele com o crime e ele foi condenado por homicídio e tentativa de homicídio em relação à companheira da vítima. Os outros dois envolvidos nesse caso ainda não foram identificados pela polícia”, disse o promotor.
Ainda segundo o MP-AC, o réu é conselheiro de uma facção criminosa e já cumpre pena por outras condenações que somam 59 anos de prisão. Com mais essa condenação, a soma das sentenças chega a mais de 88 anos de prisão.
Adicionar aos favoritos o Link permanente.