Caminhoneiros relatam estar há dias aguardando para descarregar carretas em fábrica da Ford na BA


Previsão é de que número de veículos no local aumente, já que outras carretas continuam chegando ao local. Caminhoneiros estão na porta da Ford, em Camaçari, região metropolitana de Salvador, desde segunda-feira (11)
Arquivo pessoal
Cerca de 70 caminhoneiros estão há mais de três dias na porta da fábrica da Ford em Camaçari, região metropolitana de Salvador, aguardando para descarregar materiais na empresa. Segundo os caminhoneiros, o número deve crescer, porque outras carretas continuam chegando ao local.
Na segunda-feira (11), a Ford anunciou que encerrará a produção de veículos em suas fábricas no Brasil.
“Desde segunda está tudo fechado, nada funciona. Falaram que a gente ia conseguir descarregar ontem, e agora já mudou para segunda. A comida está acabando, e a gente está doido para ir embora”, falou um trabalhador, que não quis se identificar.
A reportagem entrou em contato com a empresa que, através de nota, afirmou que “está informando aos seus fornecedores que os caminhões que estão parados na fábrica ou a caminho deverão retornar aos respectivos fornecedores, e essas questões serão tratadas diretamente pela Ford com cada empresa”.
Dezenas de carretas estão no local, sem conseguir descarregar
Arquivo pessoal
O caminhoneiro é morador de Minas Gerais, casado e tem uma filha de 8 anos. Ele contou que nunca demorou tanto tempo para retornar de uma viagem.
“Minha mulher ligou para saber como estou, e minha menina está chorando com saudade. Eu nunca demorei tanto tempo assim. Geralmente esse serviço é rápido. A gente chega, descarrega e vai embora”, contou.
O homem contou que saiu de Minas Gerais, pegou a carga em São Paulo e seguiu para a Bahia. Ainda segundo ele, a empresa para qual trabalha fornece peças para a Ford.
“A empresa [de São Paulo] entra em contato com a Ford, eles falam algo, mas não colocam em prática. As cargas já estão pagas. A gente só carrega [a carreta] depois que a Ford paga”, afirmou.
Caminhoneiro contou que comida já está acabando
Arquivo pessoal
Fechamento da Ford
Segundo o prefeito de Camaçari, a cidade vai terá cerca de 10% de perda na arrecadação de receitas após o encerramento das atividades da fábrica Ford no Brasil.
Em entrevista ao G1, Elinaldo Araújo contou que a cidade, que tem arrecadação anual de cerca de R$ 1,3 bilhão em impostos, perdeu R$ 30 milhões do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS) e mais R$ 100 milhões do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), da receita líquida com o fechamento da montadora de veículos.
“Esse ano já perdemos cerca de R$ 30 milhões e a partir do ano que vem cerca de R$ 130 milhões. O município tem uma receita anual de R$ 1,3 bilhão e vai perder R$ 130 milhões, vai perder mais de 10% da capacidade de arrecadar. Sendo que a receita era de recurso próprio e o R$ 1,3 bilhão era toda a receita. São receitas do Fundeb, do SUS, que juntas dão esse total”, disse o prefeito de Camaçari.
Funcionários da montadora na Bahia realizam protestos na terça e quarta-feira, após o anúncio do encerramento das atividades.
Segundo o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos, o fechamento da Ford causará a perda de emprego de 12 mil trabalhadores diretos e mais de 60 mil indiretos. No entanto, a Ford alega que serão cinco mil empregos afetados.
“Nós temos um acordo coletivo aqui, em que empresas parceiras de autopeças produzem nas mesmas condições como trabalhador direto Ford. Então só somando essas empresas são oito mil, mais quatro mil trabalhadores de empresas satélites que fornecem diretamente para a Ford”, disse.
“São 12 mil trabalhadores diretos, e para cada trabalhador direto demitido, são cinco trabalhadores indiretos. Estou falando de quase 60 mil trabalhadores indiretos que perdem seus empregos e 12 mil diretos. São 72 mil trabalhadores”, acrescentou.
Raio-X do Ford no Brasil
G1
Veja mais notícias do estado no G1 Bahia.
Assista aos vídeos do Jornal da Manhã
Ouça ‘O Assunto’
Adicionar aos favoritos o Link permanente.