Campinas tem 7,7 mil novos usuários em site de traição na quarentena: ‘Válvula de escape’


Plataforma fez um levantamento de inscritos entre março e setembro deste ano, durante o isolamento social por conta da Covid-19. Metrópole figura em 8º lugar na lista das 10 cidades com mais cadastros no período. Ashley Madison
Reprodução
Uma plataforma de relacionamentos extraconjugais registrou aumento de 7,7 mil novos usuários em Campinas (SP), durante o período de isolamento social provocado pela pandemia do novo coronavírus. O levantamento da Ashley Madison, um site de traição conhecido por facilitar encontros casuais, considera o período de março a setembro.
Segundo a pesquisa, o número de inscritos na quarentena representa 8% do total de assinaturas na metrópole desde o início da operação do site no Brasil, em 2011, que é de 97 mil pessoas. De acordo com a administração da empresa, o aumento de infiéis no isolamento reflete uma necessidade de ter uma “válvula de escape” neste período, onde as “tensões conjugais são altas”.
Com os 7,7 mil inscritos entre 17 de março e 30 de setembro, período mais agudo do isolamento social no Brasil, Campinas se colocou em oitavo lugar no ranking das dez cidades que mais tiveram novos usuários na quarentena. Ainda segundo o levantamento, os municípios, juntos, somam 220 mil inscritos durante os seis meses. Veja lista abaixo:
Brasília
Goiânia
Guarulhos
Manaus
São Paulo
Curitiba
Campo Grande
Campinas
Belo Horizonte
Rio de Janeiro
‘Comecei a desejar outros homens’
Casada há 17 anos, Mariana, de 37, começou a usar o site de traição em 2015. Em entrevista ao G1, que usa nome fictício a pedido da entrevistada, ela afirmou que o desgaste do relacionamento a fez se sentir sozinha.
“Foi então que comecei a desejar outros homens, mas não tinha coragem de dar o primeiro passo. Aí um dia eu ouvi em um programa de rádio falar desse site, que é voltado para relacionamentos extraconjugais. A partir disso me bateu curiosidade e me cadastrei. Comecei a dar alguns matches, marquei o primeiro encontro e foi ótimo”, disse a jovem.
A usuária revelou que, durante o período em que usa a plataforma, manteve três casos extraconjugais fixos e perdeu a conta do total de encontros que teve. Segundo ela, na quarentena não foi possível marcar encontros físicos por conta do isolamento, mas, como entra todos os dias no aplicativo para ler novas mensagens, continuou com as conversas virtuais. “Várias pessoas interessantes entraram em contato comigo”, completou.
Vazamento de dados
Em 2015, o site de relacionamentos extraconjugais esteve no centro de uma polêmica de vazamento de dados. A plataforma americana, criada em 2001 e em atividade no Brasil há nove anos, sofreu uma invasão de hackers que expôs na internet perfis de pelo menos 11 milhões de usuários cadastrados.
Em 2017, a empresa fechou acordo para pagar US$ 11,2 milhões e encerrar o litígio. Na ocasião, a empresa afirmou que aumentou suas medidas segurança desde a descoberta do vazamento.
VÍDEOS: mais assistidos no G1 nos últimos 7 dias
Veja mais notícias da região no G1 Campinas
Adicionar aos favoritos o Link permanente.