Cidade de SP registra pior taxa de isolamento social em um sábado desde o início da pandemia


Taxa de isolamento ficou em 41%. Ruas do Brás ficaram lotadas, com aglomerações e pessoas sem máscara neste sábado (12). Comércio ambulante lota vias do Brás, no Centro de SP
Reprodução/TV Globo
A cidade de São Paulo registrou a pior taxa de isolamento social em um sábado desde o início da pandemia. No último sábado (12), o índice foi de apenas 41% na capital paulista, dia que em que as novas regras para o comércio começaram a valer em todo o estado.
Essa taxa de isolamento baixa significa que as pessoas estão circulando mais do que antes.
O índice de isolamento social é um indicador utilizado pelo governo e leva em consideração dados de telefonia móvel disponibilizados pelas operadoras por meio de uma plataforma que é gerida pela Associação Brasileira de Recursos em Telecomunicações (ABR Telecom).
No sábado, as ruas da região do Brás, tradicional centro de comércio popular, estavam lotadas e com aglomerações. No penúltimo fim de semana antes do Natal, vendedores ambulantes ocupavam as calçadas e as ruas e muitos consumidores circulavam sem máscara.

Comércio de rua e os shoppings centers estão autorizados a funcionar durante 12 horas por dia
Novas regras
Neste final de semana entraram em vigor as novas regras determinadas pelo governo de São Paulo para o comércio como a redução do horário de funcionamento de bares e a ampliação do horário de operação de lojas e shoppings como medida para tentar conter o avanço de casos de coronavírus.
Bares, que antes podiam funcionar até as 22h, devem fechar às 20h. Os restaurantes e lojas de conveniência podem continuar abertos até 22h, mas só podem servir bebidas alcoólicas até as 20h. Shoppings tiveram o período de funcionamento estendido de 10 horas para 12 horas, para evitar aglomerações nas compras de fim de ano.
Governo de SP estuda reabrir hospitais de campanha
Hospitais de campanha
O coordenador-executivo do Centro de Contingência do Coronavírus, João Gabbardo, disse neste sábado (12) que o governo do estado não descarta a possibilidade de reativar os hospitais de campanha em São Paulo.
“Está já no nosso planejamento, dependendo da ocorrência e do que ocorrer nas próximas semanas, é possível sim, que nós tenhamos que reativar os hospitais de campanha. O ideal é colocarmos mais recursos em instalações que não sejam temporárias, sejam instalações definitivas. Essa é uma prioridade. Agora, se isso não for suficiente, nós vamos ter que partir para os hospitais de campanha sim”, afirmou.
Mais tarde, o governador João Doria (PSDB) também falou sobre a possibilidade de reativação. “Já foi discutido no Centro de Contingência que se houver necessidade da reativação dos hospitais de campanha nós reativaremos.”
A declaração foi dada após a alta nas internações ocorridas nas últimas semanas que aumentou a pressão no sistema de saúde, principalmente nas cidades com menor estrutura para receber os pacientes com Covid-19.
Initial plugin text

Adicionar aos favoritos o Link permanente.