Colégio Eleitoral americano confirma vitória de Joe Biden

A posse de Joe Biden está marcada para 20 de janeiro. O chefe do Departamento de Justiça, William Barr, pediu demissão. Em carta ao presidente Donald Trump, Barr disse que as investigações sobre fraude nas eleições vão prosseguir. Colégio eleitoral americano confirma Biden como 46º presidente dos EUA
O Colégio Eleitoral americano confirmou, na noite desta segunda-feira (14), a eleição de Joe Biden como 46º presidente dos Estados Unidos.
A votação do Colégio Eleitoral foi concluída. O último estado a votar foi o Havaí. Então, com isso, fica confirmado o resultado da eleição do dia três de novembro, quando Biden conquistou 306 votos no Colégio Eleitoral, bem acima dos 270 necessários para vencer.

Donald Trump teve 232 votos, e será apenas o quarto presidente americano de um único mandato em 100 anos.
No dia seis de janeiro, o vice-presidente Mike Pence, que acumula a presidência do Senado, deve validar essa contagem final. A posse de Joe Biden está marcada para 20 de janeiro. A votação no Colégio Eleitoral, normalmente, é uma mera formalidade, mas não em 2020.
Este ano, a votação acontece em meio a tentativas do presidente Donald Trump de derrubar na Justiça o resultado das urnas, alegando fraudes que nunca foram comprovadas. Até o chefe do Departamento de Justiça, William Barr, confirmou que a votação foi limpa.

Os delegados do Colégio Eleitoral se reuniram nos estados para confirmar o que os eleitores já decidiram nas urnas em novembro. O distanciamento social foi respeitado.

Na Geórgia, a delegada Stacey Abrams, ativista que registrou milhares de eleitores para votar este ano, comunicou o resultado estadual: “Estou feliz em anunciar que Joseph R. Biden recebeu 16 votos para presidente dos Estados Unidos”.
E no estado de Nova York, o ex-presidente Bill Clinton e a ex-secretária de Estado Hillary Clinton estavam entre os delegados que deram a vitória a Joe Biden.
No fim da tarde, o chefe do Departamento de Justiça, William Barr, pediu demissão. Na carta ao presidente Donald Trump, Barr disse que as investigações sobre fraude nas eleições vão prosseguir porque é importante que a população tenha confiança no resultado num momento em que o país está profundamente dividido.

Adicionar aos favoritos o Link permanente.