Com barreira sanitária, travessia para Ilhabela tem filas e aglomeração


De acordo coma prefeitura, travessia foi limitada a 70% da capacidade e pedestre precisa passar por barreira snaitária, com aferição da temperatura. Protocolo gerou espera e causou filas. Gestão informou que medida é para desestimular o turismo. Balsa teve longa espera para travessia e aglomeração em fila
Arquivo Pessoal
A travessia de pedestres para Ilhabela amanheceu com fila neste domingo (13). Dezenas de turistas se aglomeraram na espera para a passagem pela barreira sanitária organizada pela prefeitura para o acesso. A partir deste fim de semana, a gestão limitou o volume de pessoas na balsa, com prioridade para morador. (Leia mais abaixo)
A barreira sanitária foi instalada no sábado (12). Desde então, todos os passageiros precisam passar por aferição de temperatura antes de entrar. Na balsa, o volume de passageiros foi limitado para 70% para manter distância segura. Com a medida, a capacidade de pessoas passou de 2,2 mil para 1,7 mil, o que fez a espera ser mais longa e gerou filas.
Neste domingo (13) por volta das 9h a fila tinha dezenas de pessoas aguardando a passagem pela barreira na entrada da cidade. Além da fila para a balsa, também havia aglomeração nos pontos de ônibus urbano, que fazem acesso às praias. O trasnporte na cidade também tem limite de capacidade de pessoas e prioridade para moradores.
De acordo com a Secretaria de Turismo, com as novas regras e reforço na fiscalização, a prefeitura esperava o aumento no tempo de espera.
“A gente sabia que podia gerar filas, mas precisamos tomar esses cuidados para preservar a saúde de quem mora na ilha e segurança de todos. Nossa intenção é que isso desestimule o turismo, única forma que encontramos de limitar o número de pessoas”, comentou a secretaria, Buanca Colepicolo. A prefeitura não informou qual o volume de pessoas que passou pela barreira entre sábado e o início deste domingo.
Após o anúncio das medidas, a Secretaria de Turismo informou que acionou as empresas de excursão cadastradas na cidade avisando da possibilidade de demora no acesso pedindo que as viagens fossem remarcadas.
“A gente avisou as empresas para que as pessoas não vivessem essa situação, mas muitos mantiveram as excursões mesmo assim. Sabemos que é um transtorno para quem vem buscar um passeio, mas se essa é a única forma de convencer que é preciso desmarcar, a gente tem que manter”, diz Bianca.
A secretaria reforça que agentes estão nos locais orientando os turistas para que mantenham uma distância segura e que permaneçam de máscara.
Ponto de ônibus cheio na manhã deste domingo (13)
Arquivo Pessoal
Travessia
A barreira foi anunciada pela gestão na sexta-feira (11) depois de registrar uma lata nos casos de Covid-19 nas últimas semanas. A medida foi a saída encontrada, segundo a gestão, para descartar um novo fechamento no acesso.
De março a julho a prefeitura manteve o acesso a cidade exclusivo para morador. A medida gerou uma série de ações na justiça de turistas e moradores de casas de temporada que tentavam entrar no arquipélogo.
Casos na ilha
Ilhabela registrou até este sábado (12) mais de 2,7 mil casos confirmados da doença e 14 mortes. A Secretaria de Saúde informou que a alta de casos registrada na última semana foi de 224 casos, maior que a média histórica da cidade, registrada em julho.
Com o aumento, um hospital de campanha está sendo montado para o reforço no atendimento. A estrutura esta sendo montada em uma área anexa ao Hospital Mário Covas e vai atender pacientes com outras demandas de saúde, mantendo o hospital como referência para pacientes com a Covid-19.
Adicionar aos favoritos o Link permanente.