Das queimadas para as Cartilhas virtuais


Colégio Classe A assumiu juntos com os estudantes um compromisso com o Pantanal. A sociedade está imersa em um momento que não se pode negar a importância crucial que o meio ambiente tem para a existência de todos os seres vivos. Embora a sociedade humana relute com a fundamental relevância que a natureza tem em sua vida, é fato que a “mãe natureza” interfere diretamente na vida de cada indivíduo.
Antes de mais nada, é necessário elucidar que os pré-socráticos foram, de certa forma, os primeiros sujeitos a buscarem na natureza uma resposta para os seus anseios, por isso, foram considerados como os primeiros cientistas, por reconhecerem que esse espaço era a fonte de todas as explicações e comprovações que as narrativas mitológicas não davam conta de responder à altura dos questionamentos que a razão exigia para aquele novo momento do conhecimento.
Fica a certeza de que a natureza não é apenas um espaço que nos possibilita a manutenção de uma sobrevivência, mas é o ponto que conecta o ser humano ao sagrado. Segundo Baruch Espinoza (1632 – 1677) não era possível distinguir Deus da natureza, o que reflete a necessidade de revisar a postura que a contemporaneidade tem diante daquilo que acredita não fazer parte de sua própria natureza. Excluir a natureza de si, seria o mesmo que se distanciar do próprio “eu”.
Sendo assim, surge o compromisso que o Colégio Classe A assumiu frente ao longo período de queimadas que o amado Pantanal sofreu. Foram dias de angústias, incertezas, perdas grandiosas, revoltas e medo diante de um cenário que parecia não pincelar tão fácil um fim. Parecia que tudo era válido e tudo, praticamente tudo, foi utilizado como mecanismos para olvidar tamanha realidade que assombrava a existência de uma fauna poderosa.
Contudo, a sociedade não se calou frente ao tamanho “dilúvio de chamas” que o Pantanal passou. A comunidade do Colégio Classe A agarrou o compromisso de discutir e esclarecer com os pais, alunos, professores, funcionários da escola e de toda a sociedade por meio de uma Live, para discutir com dois grandes mestres: os professores Alexandre de Souza Osório e Marivaldo Amorim da Costa sobre as causas e consequências das queimadas, tais como os meios de saná-las.
As queimadas no Pantanal
NABOA Comunicação
O professor Alexandre de Souza Osório também fez uma participação no quadro: Classe A INSPIRA CONVIDA, no qual ele mostrou os efeitos das queimadas.
Colégio Classe A Cartilhas
Foi assim que surgiram as “Cartilhas Educativas” que os estudantes do 6ª ano do Ensino Fundamental II a 2ª série do Ensino Médio assumiram como um compromisso inadiável. Essas cartilhas foram marcadas por orientações das mais diversas, como: combater as queimadas, o que provoca, as causas e consequências, além de reflexões viáveis para toda a comunidade. Devido ao período remoto das aulas, os alunos fizeram as cartilhas no modo virtual, em que a direção escolar junto com os coordenadores tornaria públicas a fim de compartilhar informações e cravar socialmente um compromisso do qual o Colégio Classe A não poderia ignorar.
Capa da cartilha Pantanal em Chamas
Colégio Classe A
Por professor Carlos Igor de Oliveira Jitsumori – doutorando em Educação (PPGEdu/UFMS). Mestre em Educação pela Universidade Católica Dom Bosco (2010), e formado em Filosofia (2006) pela mesma instituição.
Adicionar aos favoritos o Link permanente.