Diploma digital tem mesma validade, é mais prático e dificulta fraudes

Para quem concluiu mais uma etapa na educação e se formou na universidade, tem direito a um diploma que até então era de papel. Mas, com o lançamento do modelo digital, tudo ficou mais prático e fácil: isso porque o certificado digital evita fraudes. Segundo dados da Operação Nota Zero, realizada no Rio de Janeiro em 2018, mais de 350 mil diplomas tinham sido fraudados no período de 5 anos. Para o ministro da Educação, Milton Ribeiro, a certificação digital é essencial para um futuro sem fraudes. “Desde que eu cheguei aqui, eu pensei uma forma de poder dar uma segurança maior para que isso pudesse acontecer de uma maneira plena para que a gente não tivesse mais médicos, por exemplo, atendendo pessoas seis meses até um ano pra que depois eles descobrissem que o diploma é falso.”

O diploma digital nada mais é do que uma versão eletrônica da certificação impressa. Com ele, é possível comprovar a conclusão de um curso de qualquer universidade pública ou privada registrada no sistema federal de ensino. Segundo o Ministério da Educação, as instituições tem até o final de 2021 para se adequarem ao sistema digital. A partir desse sistema, qualquer pessoa pode consultar o diploma de um profissional. É o que conta Nelson Simões, diretor da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa. “Esses diplomas não só ficarão armazenados nas instituições, eles poderão ser por qualquer pessoa verificados por meio de uma plataforma de validação pra garantir sua autenticidade e isso vai nos permitir não só a segurança que é essencial para todos os tipos de profissões e a equidade.”

O diploma digital foi lançado em 2018 e em 2019 aconteceu a regulamentação. A validade é aplicada por meio de assinatura eletrônica. Em 2020, foi o momento da implantação e gestão. Além de evitar as fraudes, a digitalização permite a assinatura digital, que é uma forma de proteção do formando. E pelo fato de tudo ser realizado por plataforma digital, retira a burocracia dos processos habituais de emissão de diplomas.

*Com informações da repórter Mônica Simões

Adicionar aos favoritos o Link permanente.