Dr Furlan promete ‘fazer 3 creches por ano’ em Macapá e diz que atuou dentro do que era possível em comissões de energia e saúde


Candidato do Cidadania à prefeitura de Macapá no 2º turno foi entrevistado pela CBN nesta segunda-feira (14). Ele falou da atuação como deputado estadual, diálogo com governo e o que pretende fazer nos primeiros 100 dias de gestão. Assista a íntegra da entrevista do candidato Dr. Furlan à rádio CBN Macapá
Dr. Furlan, candidato do Cidadania à prefeitura de Macapá, prometeu em entrevista nesta segunda-feira (14) que, se eleito, pretende construir três creches por ano, e receber as 3 unidades já edificadas pelo Estado. Ele também afirmou que atuou dentro das possibilidades enquanto foi presidente das comissões de saúde e de minas e energia na Assembleia Legislativa do Amapá (Alap).
A Rede Amazônica, G1 e CBN realizam nesta segunda-feira e na terça-feira (15) entrevistas com os candidatos à prefeitura da capital que concorrem no 2º turno (assista a entrevista na íntegra no vídeo acima).
Na terça, será a vez do candidato Josiel (DEM). Pela manhã, a sabatina aconteceu na rádio. Na TV e no portal, o candidato responde perguntas à noite. O pleito acontece no próximo domingo (20).
G1, Jornal do Amapá 2ª edição e CBN Amazônia entrevistam Dr. Furlan nesta segunda
Atuação na Alap e com o governo Waldez
Deputado estadual pelo 3º mandato, Dr. Furlan foi presidente das comissões de Saúde e de Minas e Energia por dois anos. Ele afirmou que os deputados visitaram as unidades de saúde do estado e que até atuaram além da responsabilidade de legislar e fiscalizar, investindo recursos financeiros pessoais para reformas e aquisição de equipamentos como centrais de ar.
Em novembro, o Amapá enfrentou uma crise energética por mais de 20 dias, por isso, esse foi um assunto citado na entrevista. Para Dr Furlan, ele acredita que agiu onde podia agir. Ele pontuou que criou uma lei para a implantação de energias renováveis no Amapá, mas que, no entanto, “não avançou”.
“Como presidente da comissão de saúde, a atuação foi muito ampla porque a nossa esfera de atuação na saúde é mais fácil. […] A gente já buscava desde lá de trás uma maneira de ter uma alternativa, não pra isso que aconteceu, porque você não resolveria, mas pra você tem logradouros públicos, em postos de saúde, em hospitais, em feiras, a modalidade de energia solar fotovoltaica, nós vivemos no meio do mundo, com uma alta taxa de luminosidade e por que não utilizar. Minha atuação se deu ao que é possível dentro da nossa esfera”, declarou.
Dr. Furlan (Cidadania) é sabatinado pela Rádio CBN Macapá
Ronaldo Brito/Rede Amazônica
Ele também destacou que cobrou a Companhia de Eletricidade do Amapá quanto ao valor alto das contas de energia cobradas no estado.
“Nós somos um estado exportador de energia e pagamos uma das maiores de energia e com serviço que é precário, com uma rede toda deteriorada. Dentro das competências da assembleia legislativa, o papel foi feito. Agora a geração de energia é de responsabilidade da esfera federal e o senado é casa revisora de leis e poderia ter pautado isso”, falou.
Na Alap, Furlan também foi líder do governo, já na gestão de Waldez Góes (PDT). Segundo o candidato, desde janeiro de 2019 ele não ocupa mais a função, mas que vai buscar diálogo com o Executivo, caso seja eleito.
“Fui líder, sim, por um ano e meio, quando o ex-deputado Ericláudio Alencar foi pra Secretaria de Segurança Pública e rompi com o governo Waldez por discordar da atuação política da gestão dele, principalmente em relação à saúde, que vocês sabem sempre fui médico, continuei atuando e fui muito cobrado pelo segmento da saúde e da população pelo estado como a saúde se apresenta hoje. Nesse sentido eu rompi e passei a integrar a base de oposição”, ressaltou.
Ainda em relação à gestão, Dr. Furlan prometeu criar um consórcio com os prefeitos da Região Metropolitana de Macapá, integrada pela capital, Santana e ainda Mazagão.
“O consórcio é um instrumento que já existe. Pra baratear as compras. Fundamentalmente compras pra área da saúde, insumos pra educação. Juntando as prefeituras você pode negociar preço, otimizar resultados nas compras, partilhar serviços. […] É importante ter esse modelo de integração entre os municípios da Região Metropolitana, principalmente entre Macapá e Santana”, descreveu.
Políticas para a infância
No plano de governo, Dr Furlan promete aumentar em 75% a oferta de creches para crianças de 0 a 3 anos. Para isso, ele disse que a “intenção é fazer 3 creches por ano”. O candidato também planeja receber três unidades que o governo do Estado construiu e tentou passar para a gestão municipal, que funcionam nos bairros Renascer e Novo Horizonte e ainda a do conjunto Macapaba.
“Existe hoje um deficit 30 mil crianças que necessitam de creches. No nosso plano de governo a gente fala da construção das creches, fala em assumir as 3 creches que o Estado tenta passar pra atual gestão e não consegue, finalizar 7 das 10 creches prometidas pelo atual prefeito, que ele não entregou, então finalizar a entregar pra população, e buscar na iniciativa privada parceria com o vale-creche”, prometeu.
Sobre o benefício, ele explica que para garanti-lo vai em busca de parcerias com empresas privadas.
“O novo Fundeb [Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação] vai dobrar o valor do recurso da educação. Creche não é custo, creche é investimento. Isso reflete no nosso resultado do Ideb [Índice de Desenvolvimento da Educação Básica]. […] Atrapalha a carreira da mãe, a criança não desenvolve suas competências e habilidades pra chegar na educação formal. E o resultado tá aí. Macapá não atinge nem a sua própria nota traçada do Ideb”, pontuou.
Dr. Furlan (Cidadania) foi entrevistado durante 20 minutos na Rádio CBN Macapá
Fabiana Figueiredo/G1
Os primeiros 100 dias na prefeitura
Dr Furlan afirmou que, se eleito, vai dar prioridade de atuação em alguns assuntos como vacinação contra a Covid-19; oportunidade na prefeitura de emprego para jovens através de convênios com instituições de ensino superior; e ainda combater a pobreza com a criação de auxílio alimentar para quem não recebe Bolsa Família.
“Na saúde, sem sombra de dúvidas, é buscar a vacina. É importante que a população entenda que nós teremos que fazer uma força-tarefa muito grande pra vacinar a população. […] Nós vamos implantar um fundo de combate à pobreza para que a população tenha segurança alimentar, para as pessoas em vulnerabilidade social, que estão no Bolsa Família e que precisa ter alimentos. O Bolsa Família é federal, mas nem todo mundo tá contemplado no Bolsa Família. Nós vamos trabalhar para que essa pessoa tenha, de imediato, o auxílio da prefeitura e depois que ela entre no programa federal”, detalhou.
Na entrevista o candidato também comentou sobre a ampliação de cobertura de pré-natal; o atendimento na rede municipal de saúde da população que busca atendimento em Macapá mas que moram nas ilhas do Pará; parceira público-privada para que empreendimentos gerenciem parques, banheiros e até cemitérios; e também falou da proposta de diminuir o tempo de abertura de empresas.
Veja o plantão de últimas notícias do G1 Amapá
ASSISTA abaixo o que foi destaque no AP:
Adicionar aos favoritos o Link permanente.